Argentina confirma primeira morte causada por gripe suína

De acordo com Ministério da Saúde do país, vítima era um bebê prematuro de três meses de idade

Marcia Carmo, BBC

16 Junho 2009 | 00h33

Brasil já tem 74 casos confirmados de gripe suína

BUENOS AIRES - O Ministério da Saúde da Argentina confirmou, nesta segunda-feira, 15, o primeiro caso de morte causada pela gripe suína no país.

 

Segundo a ministra da Saúde, Graciela Ocaña, a vítima seria uma criança de três meses de idade que estava internada desde o último dia 2 de junho em um hospital da capital Buenos Aires.

 

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde 

 

Assessores do Ministério da Saúde argentino informaram que a paciente, que havia nascido prematuramente, morreu na noite do último domingo, 14.

"A paciente já havia estado internada anteriormente por complicações pulmonares, mas, no domingo passado, 7, ela precisou de assistência respiratória", afirmou Daniel Faria, diretor do hospital Posadas, em Buenos Aires, onde a criança estava internada. De acordo com a ministra Graciela Ocaña, foram confirmados, nesta segunda-feira, mais 89 novos casos da doença, o que fez com que o número de casos registrados da influenza A(H1N1) na Argentina passasse a 733.

A ministra afirmou que, entre os pacientes internados, há desde crianças até pessoas com idades entre 20 e 50 anos. Quatro pacientes estariam em estado grave. Transmissão

Até a segunda-feira passada, 8, a Argentina contava com 235 casos confirmados de gripe suína, menos da metade do total comunicado pelo Ministério da Saúde nesta segunda-feira.

De acordo com autoridades argentinas, 48 escolas estão fechadas porque tiveram alunos com resultados positivos para a doença.

As escolas estão na cidade de Buenos Aires e nas províncias de Buenos Aires, Santa Fé, Terra do Fogo e Misiones, na fronteira com o Brasil.

"É muito importante que as pessoas saibam que o quadro (da doença no país) é leve, mas pode se agravar", disse o diretor nacional de Epidemiologia do Ministério da Saúde, Juan Carlos Bossio.

O médico infectologista chileno Miguel O'Ryan, professor da Universidade do Chile, afirmou, em entrevista à BBC Brasil, que o clima frio desta época do ano em países como a Argentina e o Chile pode facilitar a transmissão do vírus da gripe suína.

O Chile é o país da América do Sul com mais casos registrados da doença até o momento.

Os últimos números das autoridades do país apontam que já foram confirmados 2.335 casos, com duas mortes. Novas cifras devem ser divulgadas nesta terça-feira.

No Brasil, o Ministério da Saúde confirmou cinco novos casos da doença nesta segunda-feira. No total, foram registrados até o momento no Brasil 74 casos de infecção por gripe suína. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.