Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Argentina e México fabricarão vacina de Oxford para América Latina; Brasil terá produção própria

De acordo com o presidente argentino, Alberto Fernandéz, as doses estarão disponíveis no primeiro semestre de 2021; Ministério da Saúde fez acordo com universidade britânica e farmacêutica AstraZeneca

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2020 | 23h39

O presidente argentino, Alberto Fernández, anunciou nesta quarta-feira, 12, que seu país e o México ficarão encarregados da produção e distribuição na América Latina da futura vacina contra covid-19 desenvolvida pela parceria entre a Universidade de Oxford com o laboratório AstraZeneca. Já o Brasil tem um acordo separado estabelecido em junho, que garante produção própria.

O anúncio foi feito após encontro entre Fernández, representantes da AstraZeneca e da empresa de biotecnologia mAbxience, escolhida para produzir a vacina na Argentina.

“O laboratório AstraZeneca fechou convênio com a Fundação Slim para produzir entre 150 e 250 milhões de vacinas destinadas a toda a América Latina com exceção do Brasil. Estarão disponíveis no primeiro semestre de 2021 e serão distribuídas de forma equitativa entre os países a pedido dos governos", declarou Fernández em entrevista coletiva. “A produção latino-americana ficará a cargo da Argentina e do México e isso permitirá um acesso oportuno e eficiente para todos os países da região”, acrescentou.

De acordo com a AstraZeneca, se os testes clínicos forem bem sucedidos, a produção na América Latina deve começar no primeiro semestre do ano que vem. A pesquisa está na fase 3, a última e mais importante no desenvolvimento de imunizantes. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.