Argentina tem quatro mortes por gripe suína

País vizinho apresenta ainda 138 novos casos, totalizando 871 pessoas infectadas

16 Junho 2009 | 23h33

A Argentina transformou-se nesta terça-feira, 16, no país da América do Sul com maior número de vítimas fatais da gripe suína. A ministra da Saúde, Graciela Ocaña, que na segunda-feira havia anunciado a morte de um bebê de três meses por causa do vírus H1N1, informou que outras três pessoas pereceram com a doença. Todos os falecimentos ocorreram na cidade de Buenos Aires e sua região metropolitana.

 

Com estas mortes, a Argentina superou o Chile no número de mortos, já que do outro lado da fronteira até terça-feira haviam ocorrido duas mortes.

 

As autoridades sanitárias argentinas anunciaram ainda o surgimento de 138 novos casos de pessoas contagiadas. Desta forma, o número de casos no país sobre para 871. Do total, 12 pessoas estão em estado grave.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína Influenza A(H1N1)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.