Ásia e Europa ameaçam supremacia científica dos EUA

Em 2008, o bloco asiático investiu mais em pesquisa e desenvolvimento que os Estados Unidos

REUTERS, REUTERS

12 Novembro 2010 | 15h37

Os EUA ainda lideram o mundo em termos de potencial científico, armados com universidades respeitadas e uma grande massa de investimentos, mas Europa e Ásia estão chegando perto, diz relatório da Thomson Reuters.

 

A ênfase americana em ciências médicas e biológicas deixa os campos da física e da engenharia abertos para competição, afirma o texto.

 

"Os Estados Unidos não são mais o Colosso da Ciência, dominando a paisagem da pesquisa em sua produção de artigos, que  era há 30 anos", diz o relatório.

 

"Eles agora compartilham o reino, de forma cada vez mais igualitária, com a UE27 (os 27 países da União Europeia) e a Ásia-Pacífico", acrescenta o texto, que pode ser acessado em http://researchanalytics.thomsonreuters.com/grr/ .

 

A Thomson Reuters, empresa que controla a agência de notícias Reuters, faz análises periódicas do estado da pesquisa científica, usando bancos de dados como o Web of Science, que rastreia os artigos científicos mais influentes.

 

Mas a ciência nos EUA continua forte, com financiamento da ordem de 2,8% do PIB e excelente qualidade acadêmica, diz o trabalho. A influência americana cai não porque os Estados Unidos fazem menos, mas porque o resto do mundo está se esforçando mais.

 

A China agora é a segunda maior produtora de artigos científicos, atrás dos EUA, com quase 11% do total global.

 

Em 2008, a Ásia, como um bloco, superou os Estados Unidos em investimento científico, tendo aplicado US$ 387 bilhões em pesquisa e desenvolvimento, ante US$ 384 bilhões dos EUA e US$ 280 bilhões da Europa.

Mais conteúdo sobre:
investimento pesquisa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.