Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Asilo confirma 15ª morte por covid em Itapeva; no Estado, já são 700 óbitos

No Lar Vicentino, 76 idosos e 23 funcionários foram infectados pelo vírus. Ministério Público reforçou o alerta às instituições em razão da retomada da pandemia nas últimas semanas

José Maria Tomazela  , O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2020 | 09h00

SOROCABA – A direção do asilo Lar Vicentino, que atende idosos em Itapeva, interior de São Paulo, confirmou nesta quinta-feira, 18, a 15ª morte de internos pela covid-19. No total, 76 idosos e 23 funcionários foram infectados pelo coronavírus. Outros 21 pacientes que tiveram exames positivos e mais cinco casos suspeitos estão em tratamento.

Em todo o Estado, até o fim de setembro, 688 internos tinham morrido em instituições de atendimento a idosos no Estado, segundo o Ministério Público de São Paulo (MP-SP). Considerando os casos mais recentes, o número atual de óbitos já passa de 700.

Até o final de setembro, quando o MP-SP fez o último levantamento, 2.266 idosos internos tinham pegado o coronavírus. Outros 430 ainda aguardavam resultado de exames. O vírus infectou também 1.310 funcionários e prestadores de serviços. O MP-SP reforçou o alerta às instituições que atendem 45.461 idosos em todo o estado, devido à retomada da pandemia nas últimas semanas. 

Em Itapeva, a Secretaria Municipal de Saúde instalou uma equipe de médicos, enfermeiros e terapeutas no interior do Lar Vicentino. A exigência partiu do Ministério Público local. No total, a instituição abriga 102 internos.

Os idosos com sintomas ou exames positivos foram separados dos demais. Dois estão internados na Santa Casa da cidade. Conforme o promotor Lúcio Camargo de Ramos Junior disse que a situação do Lar Vicentino reflete a do município. “Temos um número maior de contaminados e o vírus está circulando na cidade toda. Cabe a população seguir as recomendações sanitárias para conter o avanço”, disse.

Outros asilos do interior já registraram grande número de mortes pela covid-19. Em Tupã, o asilo Casa Emanuel foi interditado em setembro, depois de registrar a 15ª morte de idoso infectado pelo vírus. Também houve a interdição de um asilo em Itu, após a 10ª morte. Em asilos de Campinas, tinham sido registrados 78 óbitos até o fim de setembro, quando o MP-SP fez o último levantamento. Em Piracicaba, houve 54 óbitos em instituições de idosos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.