Odair Leal/ Governo do Estado do Acre
Odair Leal/ Governo do Estado do Acre

Asilo no Acre enfrenta surto de Covid-19; dois idosos morreram e 23 estão isolados

Moradores já haviam se vacinado, mas imunizante leva pelo menos duas semanas para fazer efeito no organismo

João Renato Jácome, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

01 de março de 2021 | 19h49

RIO BRANCO - Um surto de covid-19 foi registrado neste final de semana no Lar Vicentino, em Rio Branco, após um dos profissionais que atuam na unidade de acolhimento testar positivo para a doença viral. Todos os 54 moradores do asilo, bem como os 30 trabalhadores do local, haviam tomado as duas doses da vacina Coronavac. Segundo especialistas, se a pessoa tiver a doença logo após receber a 2ª aplicação, não significa que o imunizante falhou. O Instituto Butantan, responsável pela Coronavac, estima pelo menos duas semanas para que o organismo crie anticorpos neutralizantes. 

Além disso, o grau de proteção da vacina é de 50,38%. Por isso, especialistas reforçam que é preciso manter os cuidados - como uso de máscaras, álcool em gel e distanciamento social - mesmo após a imunização.  Diante da contaminação rápida, os idosos que já testaram positivo para a doença foram colocados em isolamento, numa área anexa à comum, dentro do asilo. Também estão sendo medicados. Dois dos infectados acabaram morrendo. Os exames para confirmar a presença do coronavírus só saíram após o sepultamento dos idosos.

Em nota, o Lar Vicentino confirmou os números de doentes, e afirmou que trabalha para conter ao máximo os casos dentro da instituição. Além disso, reclama que na semana passada pediu ajuda da Prefeitura de Rio Branco, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, mas recebeu a negativa de apoio para testagem dos idosos e funcionários do local.

“Na quinta-feira, 25, notificamos a secretaria de saúde do município informando que nossos idosos estavam com os sintomas. Solicitamos que realizassem testes em todos os idosos e funcionários. Na data de ontem (domingo, 28) não tínhamos ainda recebido nenhuma resposta da secretaria. Com uma doação dos Vicentinos de Patos de Minas-MG, conseguimos comprar os testes e realizar em todos os moradores da casa”, afirmou a instituição.

O secretário de Saúde de Rio Branco, Frank Lima, minimizou a queixa da instituição, alertando que esse não seria o “momento de procurar de quem é a responsabilidade", mas de agir rapidamente para conter o surto e salvar a vida dos idosos que vivem no local. "O momento de a gente dar a resposta. Se o teste fosse feito na sexta-feira, ou fosse feito hoje, o resultado não sairia diferente. O fato é que na sexta à noite foi noticiado pra nós que havia um cuidador que estava positivo para covid, e esse cuidador pode ser o condutor dessa contaminação. Não podemos afirmar, pois o que vai afirmar são os testes que serão feitos."

A professora universitária Ana Paula Pinto, de 44 anos, relata que há cerca de um mês já havia a informação do primeiro caso de contaminação dentro do Lar Vicentino, contudo, desde então, o problema foi empurrado para “debaixo do tapete”, levando ao surto de agora. “Quando a gente soube, fomos atrás de informações sobre meu tio. Infelizmente, disseram que as visitas continuavam suspensas. Só que os funcionários de lá continuam entrando e saindo, e isso é arriscado demais, principalmente porque alguns estavam indo para o hospital, onde tinha um idoso internado com covid. Agora já morreu outro”, reclama.

A reclamação é a mesma entre os familiares da enfermeira Ana Clara Marques, que tem o avô internado no Lar Vicentino. “Chegamos a ligar, mas ver mesmo, só de longe, pela grande, porque ele senta lá na área da frente. Desde o ano passado não conseguimos visitar, e até entendemos. Agora, infelizmente, ele está doente. O pior é sabermos que ninguém (da secretaria) quis testá-los na semana passada, e o Lar não tinha dinheiro”, desabafa.

A informação do surto no Lar Vicentino se espalhou rapidamente. Surgiram dúvidas sobre a imunização contra o coronavírus, já que os idosos e trabalhadores estava imunizados com as duas doses da vacina Coronavac. Moradores e trabalhadores de instituições de longa permanência para idosos estão entre os grupos prioritários da campanha nacional de vacinação. 

O médico infectologista Eduardo Farias, que atua no atendimento de pacientes com o coronavírus, explica que é possível, mesmo após a segunda dose, que os imunizados sejam infectados pelo vírus e desenvolvam a covid-19. A tendência, porém, é de que os sintomas seja mais leves.

“Muito provavelmente o que ocorreu é que a resposta imunológica dessas pessoas ainda não alcançou o pico que a vacina promove. Na primeira dose, já há uma resposta primária, mas quando você faz a segunda dose, isso se eleva ainda mais em nível de imunidade. Mas também leva um tempo”, explica. 

Farias pontua que é preciso aguardar de 15 a 20 dias para ter mais segurança diante da imunização. “Nesse prazo, a pessoa acaba tendo os níveis de proteção que levariam para os números que o trabalho de eficácia da vacina mostrou”. Além disso, é possível que a pessoa não tenha uma virada sorológica no tempo estimado, deixando-se ainda suscetível ao vírus.

O médico infectologista destaca que o fato de os idosos ou qualquer outro imunizado com a CoronaVac adquirirem o coronavírus após a vacinação, não é necessário tomar as duas doses da vacina novamente. “Só se ficar provado que eles não fizeram a soroconversão. Ou seja, neste caso, a vacina não teria produzido anticorpos suficientes pra proteger a pessoa da doença”, finaliza.

Segundo o Instituto Butantan, após testes, a eficácia geral da vacina CoronaVac é de 50,38%. Contudo, há outros índices que são levados em conta como, por exemplo, os 78% para prevenção de casos leves de coronavírus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.