Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Associação diz que nova lei inviabiliza aplicação de vacinas contra covid em clínicas privadas

A medida impõe uma série de condições à aquisição dos imunizantes pela iniciativa privada, mas a principal queixa é de que as doses não podem ser vendidas, mas distribuídas gratuitamente, independentemente de quem as compre

Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

11 de março de 2021 | 11h13

BRASÍLIA - Um dia após o presidente Jair Bolsonaro sancionar a lei que permite a compra de vacinas contra covid-19 por empresas, clínicas privadas reclamam que o texto inviabiliza a aplicação nos estabelecimentos. A medida impõe uma série de condições à aquisição dos imunizantes pela iniciativa privada, mas a principal queixa é de que as doses não podem ser vendidas, mas distribuídas gratuitamente, independentemente de quem as compre.

"Reconhecemos que toda e qualquer iniciativa que aumente o acesso aos imunizantes é importante, porém em nosso entendimento, não podemos ser colocados no mesmo cesto de outras empresas, que não têm como sua natureza jurídica a prestação de serviços de vacinação e imunização humana", afirma, em nota, a Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas (ABCVAC).

Proposto pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o texto permite que empresas comprem vacinas, mas desde que doem 100% das doses ao Sistema Único de Saúde (SUS) enquanto durar a imunização dos grupos prioritários previstos no plano nacional. Após esta fase, metade das doses adquiridas ainda deve ser entregue à rede pública. Além disso, a aplicação da outra parte que ficar com o comprador não poderá ser cobrada.

A regra foi criada para facilitar que empresas vacinem seus funcionários, que poderiam retornar ao trabalho em atividades presenciais sob menor risco de contaminação. A ABCVAC afirma que a nova lei não considera peculiaridades do setor das clínicas privadas.

Para a associação de clínicas privadas, trata-se de uma "transferência de obrigação". "Ao mesmo tempo parece transferir para o setor privado a obrigação do governo de suprir as necessidades de vacinação dos grupos prioritários", afirma, na nota, o presidente da ABCVAC, Geraldo Barbosa. "Da forma que está, a Lei inviabiliza que as clínicas particulares possam atender a população em geral", completa. 

A ABCVAC disse ainda que não foi procurada pelos congressistas para tratar da lei. O projeto, sancionado nessa quarta-feira, 10, foi aprovado no dia 24 de fevereiro pelo Senado e uma semana depois pela Câmara. "O setor regulamentado, que já existe, poderia ajudar a imunizar contra a covid-19 cerca de 10% da população brasileira até o fim do ano. Isso equivale a 40 milhões de doses de economia para o governo", afirma o presidente da associação.

Em cerimônia no Palácio do Planalto para a sanção da lei, Bolsonaro afirmou que o governo distribuirá 400 milhões de doses de vacinas até o fim do ano. Desde janeiro, quando o governo iniciou a campanha de imunização, 9 milhões de pessoas foram imunizadas, o que representa 4,3% da população.

A entidade anunciou em janeiro negociações para a compra de 5 milhões de doses da vacina Covaxin, desenvolvida pelo laboratório indiano Bharat Biotech. O produto passa por testes finais, de fase 3, no seu país de origem, mas ainda não tem autorização de uso da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.