Associações espanholas apoiam programa

Ao contrário das entidades de classe brasileiras, que se opõem à chegada de profissionais estrangeiros ao Brasil, as associações médicas da Espanha demonstram apoio à iniciativa do Ministério da Saúde. Elas veem no Mais Médicos uma oportunidade para burlar a carência de postos de trabalho na rede de saúde espanhola e ampliar a experiência dos recém-formados.

Andrei Netto / MADRI,

20 de julho de 2013 | 20h51

 

A reportagem conversou com diretores do Conselho Geral dos Colégios Oficiais de Médicos (CGCOM), com a Sociedade Espanhola de Medicina da Família e Comunitária (Semfyc) e com a Sociedade Espanhola de Médicos de Atenção Primária (Semergen) - e todas as organizações foram elogiosas quanto ao projeto.

 

“O Brasil faz uma aposta interessante para salvar sua saúde pública. Para os países que enviarão médicos e para os próprios profissionais pode ser muito bom”, entende Alberto López García-Franco, diretor técnico da Semfyc. Mas, diz, o Brasil terá de demonstrar empenho para conquistar a atenção dos espanhóis. “O mercado europeu, formado pela Inglaterra, Escandinávia, França e Alemanha, é muito atrativo”, diz.

 

Para Fernando Rivas, membro do Conselho-Geral do CGCOM, o salário oferecido pelo governo brasileiro é vantajoso. “Mas há outras questões, como a validação de diplomas, as dúvidas sobre o retorno, se contará ou não o tempo de trabalho e, principalmente, as condições de trabalho.”

 

Para Rivas, a imagem da saúde pública no Brasil também pesa de forma negativa. “Para a maioria, é uma medicina com precariedade e pobreza, falta de estrutura e de equipamentos”, ressalta. “Mas, para o médico que quer se inscrever, também é um grande desafio.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.