Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

AstraZeneca anuncia testes da vacina de Oxford combinada com a Sputnik V, da Rússia

Imunizante da AstraZeneca tem sido criticado por especialistas em todo o mundo pela falta de transparência na divulgação dos dados dos testes clínicos

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de dezembro de 2020 | 06h55

A farmacêutica britânica AstraZeneca anunciou nesta sexta-feira, 11, que começará a testar uma combinação da vacina contra a covid-19 desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford e a Sputnik V, imunizante do Instituto Gamaleya, da Rússia. 

"O programa de ensaios clínicos vai avaliar a segurança e imunogenicidade da combinação da ASD1222, desenvolvida pela AstraZeneca e a Universidade de Oxford, e a Sputnik V", disse a AstraZeneca em comunicado. Os testes serão feitos com voluntários maiores de 18 anos.  

Cientistas russos acreditam que a combinação das duas vacinas pode aumentar a eficácia dos imunizantes. A sugestão de parceria foi feita em novembro, pelo Twitter oficial da Sputnik V. Os pesquisadores dizem que vale a pena fazer testes com o modelo russo e usando dois tipos diferentes de doses, em vez de duas doses da mesma vacina. 

Nesta sexta-feira, a AstraZeneca disse que considera como combinar as duas vacinas e que em breve começará a trabalhar com o Instituto Gamaleya para determinar se dois imunizantes que têm como base o vírus da gripe comum podem ser combinadas de maneira eficaz. 

Resultados preliminares da fase final de testes da vacina de Oxford apontam eficácia média de 70,4%. Os dados foram publicados na revista científica The Lancet na terça-feira, 8. Entre os voluntários que receberam duas doses completas da vacina, a eficácia foi de 62,1%. Já os que receberam metade de uma dose seguida de uma dose completa tiveram eficácia de 90%. Ainda não é possível determinar a eficácia do imunizante em idosos, principal grupo de risco da covid-19. O estudo tem sido criticado por especialistas pela falta de transparência e omissão de dados. 

A Sputnik V começou a ser distribuída pelo governo russo em novembro, mesmo sem os resultados finais dos estudos clínicos. Uma análise preliminar apontou que o imunizante tem 92% de eficácia

O diretor do Fundo Soberano da Rússia, Kirill Dmitriev, que financiou a Sputnik V, disse que "isso mostra a força da tecnologia da Sputnik V e nossa vontade e desejo de fazer parcerias com outras vacinas para combater a covid-19 juntos"./REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.