Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

AstraZeneca: falta de vacina para 2ª dose afeta 74% dos postos da cidade de SP

Ao menos 18 locais estão com estoque zerado de segunda dose de todas as fabricantes nesta sexta-feira; Prefeitura diz que vai reabastecer locais

Priscila Mengue e Júlia Marques, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2021 | 12h26

Cerca de 74% dos 610 pontos de imunização contra a covid-19 na cidade de São Paulo enfrentam falta da vacina AstraZeneca para a segunda dose, segundo levantamento do Estadão na plataforma municipal De Olho na Fila feito por volta das 12 horas nesta sexta-feira, 13. O desabastecimento é majoritariamente do imunizante produzido pela Universidade de Oxford com a farmacêutica AstraZeneca, mas há registros em alguns postos de desabastecimento de doses de outros fabricantes, como da Coronavac e da Pfizer. 

Ao todo, apenas 84 pontos de vacinação indicam ter as vacinas de todos os fabricantes aplicados no País para a segunda dose. Entre eles, estão o mega posto de Parelheiros, no extremo sul, o posto volante da estação Itaim Paulista da CPTM, no extremo leste, e o drive-thru do Cantareira Norte Shopping, na zona norte. 

Na UBS Humberto Pascale, na região central, vários chegaram desavisados atrás da 2ª dose da AstraZeneca. Sem placa que indicava a falta, pegavam a fila até descobrirem que o imunizante não estava disponível. Patrícia Romualdo, de 46 anos, e o marido Carlos Reis, da mesma idade, ficaram frustrados. Eles trabalham em escola e já voltaram às atividades presenciais.

O casal não encontrou a AstraZeneca na Humberto Pascale e decidiu iniciar o périplo atrás da vacina na tarde desta sexta. Eles planejavam ir a Taboão da Serra, cidade da Grande São Paulo onde moram, para conseguir a vacina. E rodar outros postos se não encontrassem. "Quanto antes tomar, melhor. Já esperamos três meses e estamos ansiosos", disse Patrícia. Para eles, falta organização e o posto deveria comunicar na porta a falta do imunizante.

Já o empreiteiro Cláudio Bratielli, de 60 anos, resolveu esperar na porta da UBS, com a expectativa de que a vacina chegue ainda nesta tarde. Outros decidiram voltar só na segunda-feira. O Estadão flagrou um senhor correr apressado para outro posto quando foi informado de que não tinha AstraZeneca na UBS Humberto Pascale. Questionado pela reportagem sobre quantos postos já tinha percorrido hoje, mostrou um "quatro" com os dedos, indignado, e saiu à procura da dose.

A dona de casa Solange Pessoto, de 53 anos, chegou a ir a uma tenda de vacinação na Avenida Mutinga, na zona norte, mas não encontrou a AstraZeneca. Resolveu então procurar na UBS Chácara Inglesa, na mesma região, um dos poucos postos que aplicavam esse imunizante nesta sexta-feira. "Complica para quem não tem carro e não pode ficar procurando", reclamou. 

Com problemas pulmonares, ela estava agoniada no início da tarde na UBS Chácara Inglesa. Em casa, recebe suporte de oxigênio e não consegue ficar muito tempo sem. "Aqui vai demorar", disse, mostrando a senha de número 148.  O posto tinha fila grande, tanto de jovens para a primeira dose, quanto dos que precisavam completar a imunização, e Solange acabou desistindo: "Vou voltar amanhã (sábado)".

Outros 18 locais estão sem estoque de nenhum imunizante para a segunda dose, como o posto volante da estação República do Metrô, no centro, e o drive-thru de Interlagos, na zona sul. Os demais enfrentam falta de doses de vacinas de dois fabricantes.

A Prefeitura de São Paulo diz ter recebido 251.990 doses Coronavac e 200 mil de AstraZeneca na quinta-feira, 12. “Todas as doses estão sendo encaminhadas aos Postos de Armazenamento e Distribuição de Imunobiológicos da capital, em seguida, separadas e enviadas às unidades", apontou em nota.

O texto não faz referência ao imunizante da Pfizer. A gestão João Doria (PSDB) tem ameaçado processar o Ministério da Saúde, argumentando descumprimento da promessa de enviar 228 mil doses da Pfizer, que eram previstas pelo governo estadual. 

O Ministério da Saúde tem 6,9 milhões de doses das vacinas da Pfizer e da Coronavac contra covid-19 paralisadas no centro de distribuição da pasta, vizinho ao aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. A Saúde pretende determinar o envio de 3 milhões de doses a diferentes Estados do País até o próximo fim de semana.

Prefeitura prevê 'virada da vacinação'

Sobre a distribuição de imunizantes, a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, da gestão Ricardo Nunes (MDB), disse ainda realizar "o remanejamento entre as unidades do Município, para garantir a vacinação nos territórios e resolver eventuais desabastecimentos causados pela alta adesão em regiões específicas”.

Dos 41 drive-thrus e mega postos, apenas três tinham estoque para a segunda dose dos três imunizantes nesta manhã, ainda segundo a plataforma. Os demais, não tinham a da AstraZeneca e outros cinco ainda enfrentavam falta do produto de outro fabricante. 

O abastecimento de vacinas por posto de vacinação pode ser acompanhado na plataforma De Olho Na Filha, que também informa sobre o tempo de espera. Ela está disponível no endereço deolhonafila.prefeitura.sp.gov.br.

Neste fim de semana, para imunizar jovens de 18 a 21 anos, a Prefeitura está montando uma 'virada da vacinação'. A operação se estenderá por 34 horas seguidas, com abertura de postos drive-thru durante a madrugada. 

Tudo o que sabemos sobre:
coronavírusvacinação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.