Astronauta chinês quer levar Partido Comunista ao espaço

Yang Liwei disse que a sucursal teria de esperar o estabelecimento de uma presença permanente no espaço

Associated Press,

19 de outubro de 2007 | 15h58

A China pode não ter uma presença permanente no espaço ainda, mas os astronautas do país já pensam em montar uma sucursal do Partido Comunista além da atmosfera. Atualmente com 14 membros, o corpo de astronautas chinês já tem bem mais que o mínimo exigido pelo PCC para dar origem a uma sucursal - três membros, informa a agência de notícias oficial Xinhua.   Os comunistas espaciais chineses "levarão a cabo as atividades regulares de um ramo do Partido Comunista da China no espaço como fazemos nas Terra", disse o primeiro chinês a ir ao espaço, Yang Liwei, segundo a Xinhua.   Yang disse que a sucursal teria de esperar o estabelecimento de uma presença permanente no espaço, como uma estação espacial, algo que os chineses ainda não são capazes de fazer. Na terça-feira, um representante do governo chinês havia dito que o país gostaria de se integrar ao consórcio responsável pela Estação Espacial Internacional (ISS).   Yang orbitou a Terra em 2003, a bordo da nave Shenzhou 5, fazendo da China o terceiro país a levar um homem ao espaço por meios próprios, atrás dos EUA e da ex-União Soviética.

Tudo o que sabemos sobre:
chinaastronautacomunismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.