Nasa
Nasa

Astronautas começam a fechar vazamento de amoníaco na ISS

Sunita Williams e Akihiko Hoshide iniciaram caminhada espacial - não prevista no programa da missão - com o objetivo de evitar que problema afete o canal gerador de eletricidade

Efe,

01 Novembro 2012 | 14h07

MOSCOU - A astronauta americana Sunita Williams e o japonês Akihiko Hoshide começaram nesta quinta-feira, 1, uma caminhada espacial não prevista no programa de sua missão para fechar um vazamento de amoníaco em um radiador da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês). Os astronautas abriram a escotilha exterior às 10h29 (horário de Brasília)", informou em Moscou o Centro de Controle de Voos Espaciais da Rússia.

 

Os dois ocupantes da plataforma orbital permanecerão no exterior da ISS durante aproximadamente seis horas e meia no que a Nasa descreveu como uma atividade rotineira que não traz grandes dificuldades, segundo as agências russas.

 

O amoníaco é um elemento fundamental que circula através dos sistemas externos de controle térmico da estação para esfriar e manter na temperatura adequada a eletrônica e outros sistemas da estação. O objetivo da atividade extraveicular de hoje é precisamente fechar a fuga do sistema de esfriamento que se encontra no exterior do segmento americano da estação.

 

A princípio, a caminhada espacial estava prevista para 2013, mas a Nasa mudou de planos após detectar um aumento no vazamento que, segundo calcularam os controladores de voo, poderia afetar o funcionamento do canal gerador de eletricidade 2B no final do ano.

 

O gerador tem capacidade para alimentar um grande número de componentes da estação e se ficasse fora de serviço poderia provocar um superaquecimento nos sistemas que afetaria todo o complexo espacial.

 

Esta é a terceira saída que Williams e Hoshide realizam durante a atual missão, quando inicialmente só tinham previsto realizar uma em agosto para substituir um comutador de energia elétrica.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.