Astronautas do Endeavour realizam sua terceira caminhada espacial

Os americanos Drew Feustel e Michael Fincke deixaram a Estação Espacial às 2h43

estadão.com.br com Efe,

25 Maio 2011 | 09h20

 

MOSCOU - Os tripulantes da Endeavour realizaram nesta quarta-feira, 25, a terceira e penúltima caminhada espacial da última série da história das naves americanas no exterior da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês).

 

Os americanos Drew Feustel e Michael Fincke, os especialistas da missão, deixaram o módulo Quest do segmento americano do laboratório orbital às 2h43 de Brasília e permaneceram no exterior durante 

6h54.

 

Veja também:

 especial Tudo sobre a missão do Endeavour

blog Acompanhe a missão pelo twitter da Nasa

blog Os astronautas da Nasa no Twitter

link Soyuz TMA-20, com 3 tripulantes da ISS a bordo, aterrissa com sucesso

Durante a atividade extraveicular, os astronautas instalaram no módulo russo Zaryá uma plataforma para o manipulador SSRMS e um conversor de vídeo. Além disso, eles estenderam cabos elétricos do módulo Harmony até o Zaryá para assegurar a provisão de energia de reserva ao segmento russo da ISS. Os astronautas conectaram ainda uma antena sem fio na superfície exterior do módulo laboratório Destiny que enviará valiosas informações à Estação.

 

A missão. A Endeavour decolou na segunda-feira para um missão de 16 dias, a penúltima antes de a Nasa aposentar sua frota de três ônibus espaciais, e chegou à estação na quarta-feira. Dezesseis nações são parceiras no projeto da Estação Espacial de US$ 100 bilhões.

 

Inspeções durante o voo mostraram algum dano ao escudo anti-calor na parte inferior da Endeavour. "Há três áreas que preocupam um pouco. A equipe no solo decidirá nos próximos dias se temos que examinar isso melhor, mas vimos este tipo de coisa antes e não nos preocupa muito", disse Kelly nesta quinta-feira durante entrevista diretamente do espaço.

 

O plano da Nasa depois do fim do programa de ônibus espaciais é fazer com que os astronautas americanos sejam transportados até a Estação Espacial Internacional por meio da nave Soyuz, da Rússia, talvez até a metade da atual década (o serviço prestado pela Rússia custa US$ 51 milhões por astronauta para os Estados Unidos). Eventualmente eles pretendem contar com naves europeias e japonesas também. Depois, a Nasa deve começar a usar os serviços de companhias privadas nas suas viagens para o espaço. Atualmente as empresas particulares cobram US$ 63 milhões por passagens para 2014.

 

O ônibus também entrega uma plataforma carregada com grandes peças de reposição, na esperança de manter a estação em funcionamento por mais 10 anos. O carregamento inclui duas antenas de comunicações de banda-S, um tanque de gás de alta pressão, o sistema robótico canadense Dextre e escudos para proteger a ISS de micrometeoritos.

 

Além disso tudo, a Endeavour ainda leva para a ISS um aparelho de US$ 2 bilhões que os cientistas esperam que esclareça parte dos mistérios envolvidos na chamada matéria escura. O aparelho é chamado Espectrômetro Alfa Magnético (AMS) e deverá analisar raios cósmicos de alta energia, sendo o primeiro a olhar detalhadamente para esse tipo de matéria no espaço.

 

Após o retorno do Endeavour, as atenções da Nasa se voltarão para o lançamento do Atlantis, que está previsto para o dia 28 de junho. Esse será o 135º e último lançamento de ônibus espacial da agência espacial norte-americana.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.