Julia Freeman/Divulgação
Julia Freeman/Divulgação

Atividade cerebral de adolescentes ajuda a conhecer possíveis sucessos musicais

Boa aceitação de músicas desconhecidas e posteriormente bem comercializadas mostra que novos sucessos podem ser previstos por meio de estudo de região específica do cérebro

Estadão.com.br

13 Junho 2011 | 12h56

SÃO PAULO - Um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade Emory, dos Estados Unidos, para saber como os adolescentes reagem à pressão de outros ajudou cientistas a perceberem que a resposta observada do cérebros destes adolescentes a uma música pode ajudar a descobrir o próximo fenômeno cultural. O resultado foi publicado no Journal of Consumer Psychology.

Isso porque analisando a atividade cerebral em uma área ligada à recompensa, principalmente no córtex orbito-frontal e no striatum ventral, foi possível fazer um paralelo com aquelas música que tiveram boas vendas entre 2007 e 2010. Foram selecionadas 120 músicas de artistas desconhecidos para garantir que aquela era a primeira vez que os 27 voluntários com idades entre 12 e 17 anos as estavam ouvindo.

A resposta cerebral pôde prever cerca de um terço das músicas que venderiam mais de 20 mil unidades alguns anos mais tarde. Assim com previu aquelas que não fariam sucesso, cerca de 90% das música que tiveram uma resposta ruim na atividade cerebral venderam pouco. É importante notar que os pesquisadores pediram para que os adolescentes avaliassem as músicas dando uma nota de 1 a 5 para cada uma delas. As notas dadas não revelaram o mesmo grau de aceitação de determinadas músicas verificado pelo exame de ressonância magnética. Os pesquisadores acreditam que os voluntários podem ter se sentido pouco confortáveis para serem sinceros quanto ao seu próprio gosto e serem avaliados por um grupo de estranhos, no caso, a equipe de cientistas.

Mais conteúdo sobre:
cérebro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.