EFE/EPA/JOEL CARRETT AUSTRALIA AND NEW ZEALAND OUT
EFE/EPA/JOEL CARRETT AUSTRALIA AND NEW ZEALAND OUT

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Austrália confirma primeiro caso de novo coronavírus

Número de países em que o vírus foi encontrado chega a 11, alcançando quatro continentes

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2020 | 23h38

MELBOURNE - A Austrália anunciou seu primeiro caso do novo coronavírus no fim da noite desta sexta-feira, 24. Isso aumenta para 11 o número de países com infecção.  O paciente australiano é do Estado de Victoria. O governo pede aos cidadãos australianos que não viajem para a província de Hubei, na China, epicentro do surto.

Trata-se de um cidadão chinês, na casa dos 50 anos, que estava na cidade de Wuhan. De acordo com autoridades sanitárias, ele está em condição estável em um hospital de Melbourne.

"É importante enfatizar que não há motivo de alarme para a comunidade", disse disse a ministra da Saúde de Victoria, Jenny Mikakos.

A diretora interina de saúde de Victoria, Angie Bone, disse que o paciente não está em tratamento intensivo.

"Ele é estável e não está em uma condição muito séria", disse ela.

O número de mortos pelo vírus subiu para 41, com mais de 1.200 infectados em todo o mundo, mas a maioria dos casos e todas as mortes até agora ocorreram em Wuhan, onde autoridades impuseram severas restrições a viagens e reuniões públicas.

Além da China, onde o surto começou, já são 11 os países a confirmar casos da doença: França, Japão, Coreia do Sul, Cingapura, Estados Unidos, Vietnã, Arábia Saudita, Taiwan, Nepal, Tailândia e, agora, Austrália. Nos Estados Unidos, dois casos já foram confirmados e mais de 60 registros suspeitos estão em investigação.

No Brasil, o Ministério da Saúde colocou o País em alerta para o risco de transmissão do  coronavírus, mesmo sem nenhum caso suspeito. Profissionais de saúde e hospitais já estão sendo orientados de como agir caso o vírus chegue. O ministério descartou os cinco casos suspeitos que foram notificados por não se enquadrarem na definição estabelecida pela OMS. /COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.