Andrew Kelly/Reuters
Andrew Kelly/Reuters

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Austrália desenvolve coronavírus em laboratório e pode acelerar vacina

Pesquisadores prometem compartilhar a amostra; China e Rússia trabalham juntas para criar um imunizante

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2020 | 13h15

MELBOURNE - Uma equipe de cientistas australianos informou nesta quarta-feira, 29, que desenvolveu uma versão de laboratório do novo coronavírus, a primeira a ser recriada fora da China, em uma descoberta que pode acelerar a criação de um vacina contra o vírus.

Os pesquisadores do Instituto Peter Doherty para Infecção e Imunidade, em Melbourne, disseram que compartilhariam a amostra, desenvolvida a partir de um paciente infectado, com a Organização Mundial de Saúde (OMS) e laboratórios de todo o mundo.

"Este é um passo, é uma peça do quebra-cabeça com a qual contribuímos", disse o vice-diretor do instituto, Mike Catton.

Ele pontuou que, sozinha, a amostra não venceria a luta contra o vírus. O surto de coronavírus irrompeu na cidade de Wuhan, na região central da China, no fim de 2019. Embora o país tenha isolado boa parte da província de Hubei, cujo volume populacional se assemelha ao da Itália, o vírus já se alastrou para outros países.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Um laboratório chinês já cultivou o vírus, mas divulgou apenas a sequência de genoma, não a amostra em si, de acordo com a rede de televisão pública Australian Broadcasting Corp. Além de contribuir para a criação de uma vacina, a amostra cultivada na Austrália poderia ser usada para gerar um teste de anticorpos, o que permitiria a detecção do vírus em pacientes que não apresentavam sintomas, informou o Instituto Doherty.

"Ter o vírus real significa que, agora, temos a capacidade de validar e verificar todos os métodos do teste", disse o chefe do laboratório de identificação de vírus do instituto, Julian Druce.

Genoma do coronavírus

A China e a Rússia estão trabalhando para desenvolver uma vacina contra o coronavírus, e o governo chinês entregou o genoma do vírus a autoridades de saúde russas, informou nesta quarta uma missão diplomática da Rússia na China.

A Rússia, que ainda não teve nenhum caso confirmado do vírus, começou na terça-feira a verificar todos os turistas russos que retornavam da China, informou o órgão de vigilância nacional da saúde.

"O lado chinês entregou o genoma do vírus à Rússia, o que permitiu aos cientistas desenvolver rapidamente testes expressos que permitem identificar o vírus no corpo humano em duas horas", afirmou o consulado. /REUTERS

TV Estadão: brasileira conta que ruas de Pequim estão desertas

TV Estadão: brasileiro fala que ninguém sai de casa na China

Coronavírus: estamos próximos de uma pandemia? Ouça no podcast Estadão Notícias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.