Avanços contra o câncer de pulmão aumentam sobrevida de pacientes graves em até 5 anos
Conteúdo Patrocinado

Avanços contra o câncer de pulmão aumentam sobrevida de pacientes graves em até 5 anos

Doença está relacionada ao tabagismo em 85% dos casos.“Agosto Branco” promove campanhas de conscientização

Amgen Brasil, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

27 de julho de 2021 | 07h30

Associado ao tabagismo em 85% dos casos, o câncer de pulmão está entre as principais causas de mortes evitáveis do País e do mundo. São mais de 30 mil novos casos registrados no Brasil a cada ano, segundo o INCA (Instituto Nacional do Câncer), órgão ligado ao Ministério da Saúde.2

Para se ter uma ideia do tamanho do problema, a doença foi a principal causa de morte entre homens acometidos por algum tipo de câncer (13,8%) em 20203- incluindo nessa classificação a traqueia e os brônquios. Por isso, o mês de agosto é conhecido como “agosto branco”, para fomentar campanhas de conscientização sobre prevenção, diagnóstico precoce e tratamento.

Quando o câncer é identificado em estágio inicial (tumor localizado), o que acontece em 16% dos casos, a sobrevida em cinco anos é de 56%. Esses pacientes costumam ser tratados com cirurgia, podendo também ser necessário quimioterapia e radioterapia. Contudo, o diagnóstico precoce continua sendo um grande desafio, pois os primeiros sinais da doença são sutis e podem passar despercebidos. Entre eles, tosse persistente, rouquidão, falta de ar, cansaço e perda de peso.4

Se o diagnóstico ocorrer em estágios mais avançados, quando há metástase e células cancerígenas são encontradas em outras partes do corpo, o tratamento requer outras abordagens. Muitos avanços relevantes têm sido conquistados por pesquisadores mundo afora, proporcionando ao paciente tratamentos mais precisos e com menos reações desagradáveis. A imunoterapia e a terapia-alvo são hoje as frentes de trabalho com mais avanços nesse tipo de doença.5

“Esse tipo de tratamento aumenta a expectativa média de vida do paciente de um ano para em torno de cinco anos, além de diminuir os efeitos colaterais e proporcionar mais qualidade de vida. Dependendo do caso, a pessoa pode tomar o medicamento em casa e seguir com a sua rotina, apenas com acompanhamentos rotineiros com especialista”, explica o Dr. Luiz Henrique Araújo, médico oncologista e pesquisador do Inca e do Instituto COI (Centro de Oncologia Integrado). Graças a essa evolução, além do aumento da sobrevida, os pacientes têm contado com mais qualidade de vida.

Os esforços no combate ao câncer de pulmão estão focados em marcadores genéticos. Hoje, eles permitem identificar cerca de dez tipos de genes com mutações causadoras da doença. Com essa informação, o oncologista pode decidir qual é o tratamento mais adequado. Por exemplo, com a escolha da terapia-alvo indicada para atuar especificamente sobre uma determinada alteração genética.  

Novos tratamentos vêm sendo aprovados pelo FDA, agência reguladora dos EUA, para tratar pacientes adultos com câncer de pulmão. O Dr. Alejandro Arancibia, diretor médico da Amgen Brasil, está otimista quanto ao impacto da novidade. “O tratamento do câncer de pulmão tem evoluído de forma significativa com o desenvolvimento da medicina personalizada, permitindo que pacientes, mesmo com doença metastática, alcancem um tempo de sobrevida cada vez maior”, diz.

Como ação para ampliar o conhecimento sobre a doença, a Amgen Brasil, no Agosto Branco, vai intensificar a divulgação de informações que ajudem as pessoas a procurar por tratamento o quanto antes. Quem tem a assistente virtual Alexa vai poder acessar conteúdos do UOL a respeito da doença.


Referências:

1) https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-pulmao (Acessado em 26/07/2021) 2) https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-pulmao (Acessado em 26/07/2021)

3) https://www.inca.gov.br/numeros-de-cancer (Acessado em 26/07/2021)

4) https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-pulmao (Acessado em 26/07/2021) 5) Opinião do autor.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.