Aves pré-históricas com bicos gigantes faziam movimentos de machado para caçar

Andalgalornis, que tinha 40 kg e vivia na América do Sul, matava presas com estratégia de ataque e recuo

AP

18 de agosto de 2010 | 21h58

WASHINGTON - Aves de 40 quilos, conhecidas oficialmente como Andalgalornis, que viviam na América do Sul manuseavam seus bicos gigantes e afiados com golpes repetidos nas presas, segundo um novo estudo divulgado no site da revista científica PLoS One.

Os cientistas dizem que as táticas da ave foram ditadas, em parte, por seu tamanho e composição física, que tornou qualquer outra forma de caça extremamente difícil e, eventualmente, fatal.

"Esses animais não eram boxeadores. Não podiam entrar e agarrar a presa. Eles tinham de recuar e dançar ao redor e fazer movimentos de machado", disse Lawrence Witmer, da Universidade de Medicina Osteopática de Ohio, nos EUA.

O design da cabeça dessas aves ditava o estilo de caça: uma estratégia de ataque e recuo para matar o animal e, em seguida, engoli-lo inteiro, se possível, ou então usar os fortes músculos do pescoço para rasgar a carne em pedaços'', disse Witmer em entrevista por telefone.

O Andalgalornis, de 1,2 metro de altura, viveu há cerca de 6 milhões de anos no que é hoje o noroeste da Argentina. A cabeça dele tinha um profundo e estreito bico, armado com um gancho poderoso de falcão.

"As aves geralmente têm cabeça com muita mobilidade entre os ossos, o que lhes permite ter crânios leves, mas fortes. Mas nós descobrimos que o Andalgalornis transformou essas articulações móveis em vigas rígidas. Ele tinha um crânio muito forte, especialmente na direção frente-ré, apesar de ter curiosamente um bico oco", explicou Witmer.

Uma análise técnica revelou que a ave estava bem adaptada a puxar o bico para frente e para trás, mas não teria sido bem-sucedida ao tentar balançar as presas de um lado para o outro.

Além disso, o bico oco pode ter sido danificado por movimentos laterais rígidos. E, embora a mordida fosse tão forte quanto a de um mamífero de porte semelhante, ele podia compensá-la usando o bico como um machado, de acordo com os pesquisadores liderados por Witmer e Federico Degrange, do Museu de La Plata, na Argentina.

Os pesquisadores ficaram um pouco surpreendidos pelos resultados, segundo Witmer. "As aves eram animais bastante resistentes, mas tinham que ser gentis e cuidadosas também", disse. "Ser um predador é um negócio muito arriscado. Um animal de rapina vai resistir."

Ele disse que os pesquisadores estudaram a ave anatomicamente e por meio de engenharia para simular potenciais comportamentos.

"O mais legal foi que os dois métodos resultaram na mesma resposta", afirmou Witmer. "E o mais surpreendente é que pudemos descobrir isso."

O Andalgalornis é uma das variedades de pássaros gigantes que viveram na América do Sul. Pelo menos uma espécie maior, o Titanis, invadiu a América do Norte, mas depois desapareceu.

A pesquisa foi financiada pela Fundação Nacional de Ciência dos Estados Unidos, pelo Conselho Australiano de Pesquisas, pela Fundação de Ciência da Austrália e do Pacífico, e pelo Fundo Nacional para Investigação Científica e Tecnológica da Argentina.

Tudo o que sabemos sobre:
Andalgalornispássaro gigante

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.