Ng Han Guan/AP
Ng Han Guan/AP

Avião para repatriar mexicanos chega a Xangai

Aeronave vai fazer escalas em outras cidades chinesas antes de voltar nesta terça-feira ao México

Agências internacionais

05 Maio 2009 | 03h55

Um avião charter da companhia mexicana Aeromexico chegou nesta terça-feira, 5, a Xangai. É a primeira etapa de repatriamento dos cidadãos mexicanos que foram postos em quarentena na China como medida para conter a gripe suína, informou a imprensa oficial.

 

Veja também

linkHong Kong veta repatriação de mexicano com gripe suína

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde 

 

O presidente do México, Felipe Calderón, denunciou este isolamento como uma medida discriminatória e repressiva contra cidadãos mexicanos.

 

O voo AM191 da Aeromexico aterrissou às 12h10 locais (2h10 pelo horário de Brasília) no aeroporto internacional de Pudong, segundo o site Eastday.Com, do município de Xangai.

 

O avião mexicano também vai fazer escalas nas cidades de Pequim, Guangzhou e Hong Kong antes de voltar nesta terça-feira à Cidade do México.

 

Cerca de 70 mexicanos foram postos em quarenta em várias cidades da China, entre elas Pequim, Xangai e Cantão, depois da confirmação na sexta-feira, 1º, à noite de um primeiro caso do vírus A (H1N1) na Ásia, em um cidadão mexicano que chegou em Hong Kong via Xangai.

 

A China também enviou um avião ao México para levar seus cidadãos logo que o governo chinês proibiu voos para o país.

 

Presidente mexicano está indignado
 

O presidente do México, Felipe Calderón, expressou nesta terça-feira, 5, sua "mais enérgica rejeição às medidas humilhantes ou discriminatórias" de vários países contra seus compatriotas desde começou a epidemia da gripe suína.

 

 

 

"Manifesto em nome do país nossa mais enérgica rejeição às medidas humilhantes ou discriminatórias empreendidas por vários países contra os mexicanos", disse Calderón em mensagem à nação.

 

 

 

Por causa da epidemia, Peru, Argentina, Cuba e Equador suspenderam unilateralmente seus voos ao México.

 

 

Além disso, a Colômbia se negou a deixar que equipes mexicanas de futebol disputem suas partidas da Copa Libertadores em Bogotá por temor à gripe suína, e autoridades na China isolaram vários turistas mexicanos.

 

 

 

 

 

Desafio global
 
 

O presidente do México afirmou que a contenção da epidemia é um desafio global que requer a participação de todos os países, e afirmou que a estratégia seguida por seu Governo não apenas defende a vida dos mexicanos, mas a de todos que podem ser contagiados no mundo.

 

 

"Não é a primeira vez que o México se vê submetido a uma prova tão difícil nem será a última. Mas estou convencido de que são as adversidades que formam o caráter das pessoas e a personalidade dos povos", enfatizou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.