Bactéria que provoca acne pode ser a causa da sua infecção

Organismo tem sido associado a problemas oculares, respiratórios, articulares e até cardíacos

estadão.com.br

13 Janeiro 2011 | 16h39

Uma bactéria que provoca acne e é comumente encontrada na pele agora é conhecida por causar infecções em todo o corpo. A Propionibacterium acnes tem sido associada a infecções oculares, respiratórias, em articulações e válvulas do coração (endocardite).

Anteriormente, os pesquisadores achavam que a presença da bactéria no local dessas infecções devia-se à contaminação da pele. Por exemplo, uma infecção dentro do corpo após uma cirurgia poderia ter sido causada por uma transferência de bactérias vindas de uma ferida aberta na epiderme.

Mas estudos recentes têm contestado isso, sugerindo que a P. acnes, já dentro do organismo, pode ser a razão. Embora seja muitas vezes vista como um "agente inocente" quando encontrada no sangue e em tecidos de pacientes, essa bactéria não deve ser descartada no diagnóstico de doenças, dizem os autores.

As pessoas que são diagnosticadas incorretamente podem vir a desenvolver complicações da infecção se a bactéria errada for alvo de tratamento. Por isso, é vital que a infecção com P. acnes não seja ignorada, e que o público esteja ciente da presença desse micro-organismo no corpo.

"É importante reconhecer que ele tem a capacidade de crescer lentamente dentro das células e também sobre a superfície de dispositivos médicos no corpo, durante uma operação. Essa bactéria tem sido associada à acne comum, em que contribui para a inflamação e a dor. Pesquisas recentes mostram ainda que ela pode estar envolvida em outras condições graves, como o câncer de próstata", afirma o professor Peter Lambert, especialista em infecções por P. acnes na Universidade de Aston, Inglaterra.

O estudo "Propionibacterium acnes: um patógeno emergente" foi apresentado na última quarta-feira no Encontro de Inverno da Sociedade de Microbiologia Aplicada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.