Bayer faz oferta de 16,3 bilhões de euros pela Schering

A alemã Bayer, da área de produtos químicos e farmacêuticos, fez uma oferta de 16,3 bilhões de euros pela fabricante de medicamentos Schering. A proposta, bem recebida pela direção da Schering, supera os 14,9 bilhões de euros oferecidos pela Merck na semana passada pelo controle da empresa. Esta proposta hostil foi prontamente recusada pela direção da Schering. Segundo a Bayer, o negócio cria uma gigante mundial com vendas anuais de cerca de 9 bilhões de euros. A oferta da Merck pela Schering na semana passada chamou a atenção porque as empresas farmacêuticas alemãs, que eram líderes mundiais, vinham perdendo espaço com a crescente consolidação da indústria em todo o mundo. O presidente da Schering, Hubertus Erlen, disse que o preço proposto pela Bayer estava correto e que as empresas estavam no rumo certo. "A direção da empresa vem examinando a proposta cuidadosamente, considerando os interesses de todos os acionistas", disse em um comunicado. "A oferta de 86 por ação, em conjunto com vários outros compromissos importantes, é uma boa oferta." Segundo ele, a união de forças entre a Schering e a Bayer vai criar uma empresa líder mundial em medicamentos especializados. "Juntas, elas serão ainda mais competitivas internacionalmente", disse. O comunicado da Bayer informa que a empresa vai financiar a compra com 3 bilhões de euros de recursos próprios e o restante em financiamentos com o banco Crèdit Suisse ou o Citibank. "A aquisição da Schering deve criar uma empresa de saúde de categoria internacional", disse a Bayer. "O negócio é consistente com a estratégia da Bayer de se concentrar em especialidades farmacêuticas rentáveis, e poderia aumentar a participação da empresa nas vendas desses produtos dos atuais 25% para cerca de 70%." Segundo a Bayer, a combinação dos negócios das duas companhias traria um portfólio equilibrado de medicamentos nas áreas de oncologia, cardiologia, hematologia e ginecologia, que apresentam um crescimento acima da média da indústria farmacêutica. "A direção da Schering já declarou sua intenção, sujeita à revisão depois da análise de todos os documentos, de aprovar a oferta e recomendá-la aos acionistas", disse o comunicado da Bayer. A idéia da empresa é fundir a Schering e as unidades farmacêuticas da Bayer em uma nova divisão, independente. A nova divisão deve se chamar Bayer-Schering Pharmaceuticals e ficará sediada em Berlim. Segundo a Bayer, a nova divisão deve apresentar margens de lucro maiores que suas unidades farmacêuticas atuais.

Agencia Estado,

24 de março de 2006 | 11h40

Tudo o que sabemos sobre:
notícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.