DIVULGAÇÃO/PMPA
DIVULGAÇÃO/PMPA

Bebê que nasceu com 380 gramas ganhará alta após 117 dias

Vitória veio ao mundo com apenas 24 semanas; exames mostraram que a menina tinha dificuldades em crescer no útero

Wagner Machado, Especial para O Estado

04 Novembro 2015 | 17h38

PORTO ALEGRE - O menor bebê prematuro a nascer no Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas (HMIPV), em Porto Alegre, ganhará alta nesta quarta-feira. Após 117 dias de luta, Vitória, que veio ao mundo com apenas 24 semanas e apenas 380 gramas, poderá ir para casa com os pais. 

Após quatro meses internada desde o seu nascimento, em julho, a recuperação da bebê é considerada uma grande conquista para a equipe médica e para os familiares. Ao nascer, ela cabia na palma da mão e o habitual para um parto é ocorrer com 40 semanas de gestação.

Conforme a neonatologista Silvana Streit Pires, o principal parâmetro para se definir as chances de sobrevivência de um prematuro é o peso, que tem como média 500 gramas. "Vitória chegou com bem menos que isso, o que dá uma dimensão do desafio que foi garantir a sobrevivência desta criança", diz a médica, ao lembrar que a menina entrou para a história do Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas como o menor prematuro extremo a nascer na instituição e sobreviver sem sequelas e em condições tão críticas.

Mesmo com os exames do pré-natal em dia, em razão da hipertensão, a mãe, Lisandra Perna, de 25 anos, foi aconselhada pela equipe obstétrica a se submeter a uma cesariana assim que exames mostraram que Vitória estava tendo dificuldades em crescer dentro do útero. 

Os órgãos de Vitória já estavam formados, mas ainda não tinham condições de funcionar sem ajuda externa. A bebê não podia respirar sem auxílio de ventilação mecânica; a alimentação específica para bebês nestas condições só podia chegar ao minúsculo aparelho digestivo através de sondas; e a temperatura corporal só se mantinha em incubadoras especiais.  

"Quero ir para casa e curtir todo esse momento que não podemos aproveitar dentro do hospital. O quartinho dela está pronto desde quando descobri que estava grávida", comemora Lisandra, feliz com o avanço de Vitória, que agora está com 2 quilos e 180 gramas.

No início, Vitória seria chamada de Rafaela, mas, diante de tantas adversidades e da superação, o novo nome representa bem tudo o que ela passou para viver. No primeiro momento, longe do hospital, ela receberá o acompanhamento de um oftalmologista. "Mas nada muito preocupante diante do que ela teve de superar. Mesmo com todo o cuidado que recebeu desde o parto, foi uma recuperação realmente surpreendente", comenta a médica.    

 

Mais conteúdo sobre:
PORTO ALEGRE Saúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.