Bebê que teve perna amputada em instituto morre no Rio de Janeiro

Criança nasceu em fevereiro com quadro de hidroanencefalia; causa da morte será investigada

Priscila Trindade, da Central de Notícias,

05 Maio 2011 | 12h14

São Paulo, 5 - A criança que teve uma das pernas amputada em março, no Instituto Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz), no Rio de Janeiro, após ser queimada por um equipamento médico no centro cirúrgico, morreu na madrugada desta quinta-feira, 5.

Veja também:

linkMédicos prestam depoimento sobre bebê que teve a perna amputada

link Perícia vai apontar se houve erro médico

link Recém-nascida tem perna amputada após queimadura em cirurgia no Rio

Segundo a Secretaria estadual de Saúde, a criança chegou já morta na Unidade de Pronto-Atendimento de Sarapuí. "Os médicos ainda fizeram manobras de ressuscitação, mas não adiantou". Um exame necroscópico será feito no corpo da criança para determinar a causa da morte.

A menina nasceu no dia 21 de fevereiro com quadro de hidroanencefalia grave e precisou passar por uma cirurgia. Segundo o instituto, durante o procedimento, a equipe observou a ocorrência de uma queimadura na região da perna direita, onde havia sido colocada a placa para utilização do bisturi elétrico, procedimento considerado padrão pelo IFF. Após seis dias do ocorrido, a equipe médica decidiu amputar a perna direita da paciente. A cirurgia foi realizada quando o bebê tinha cerca de 15 dias de vida. O instituto afirmou ter aberto sindicância para apurar o ocorrido.

Mais conteúdo sobre:
erro médico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.