Pixabay
Pixabay

Bebês exigem cuidados redobrados em dias mais quentes

Temperaturas batem recorde em SP e RJ; no Paraná, a sensação térmica chegou a 81ºC; animais de estimação também merecem atenção especial

Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2018 | 16h36

SÃO PAULO - As altas temperaturas registradas nos últimos dias da primavera estão incomodando até mesmo quem gosta de calor. Na cidade de Antonina, no litoral paranaense, a sensação térmica surpreendeu ao chegar a 81ºC, quando os termômetros registravam 40,2ºC. Tomar bastante água, usar uma roupa mais leve, curtir uma praia ou um banho de piscina ajuda a refrescar, mas para crianças pequenas e animais de estimação os cuidados devem ser redobrados nesta época do ano. O verão começa no dia 21 de dezembro e promete dias com temperaturas elevadas.

"A Laurinha fica muito suada e incomodada com o calor. À noite, procuro colocar pouca roupa e uma toalha por baixo para não deixar o lençol molhado. Ela tem acordado de hora em hora. Além disso, o verão traz os pernilongos", diz Kátia Oliveira, mãe da Laura de 2 anos. Ela também procura dar muita água e frutas como a melancia para refrescar a filha.

A pediatra e neonatologista Maria Cecília Correia Hyppolito lembra que os pais devem ter atenção principalmente com os bebês com menos de 2 anos.

"Use roupas leves, ofereça muito líquido, frutas e alimentos frescos. Evite também exposição solar em horários mais quentes. Pode permanecer ao ar livre, mas na sombra", indica Hyppolito. 

Outra preocupação é com as assaduras. É importante realizar trocas frequentes de fraldas. No calor, também é comum as crianças ficarem com bolinhas vermelhas pelo corpo, o indicado é dar mais de um banho ao dia.

Em São Paulo e no Rio de Janeiro, as temperaturas também bateram recorde. Na terça-feira, 18, a temperatura chegou a 34,4ºC no Mirante de Santana, na zona norte da capital paulista. Nesta quarta-feira, 19, a previsão é de 28ºC e na quinta-feira, 20, de 33ºC. No Rio, os termômetros registraram 40,6ºC na estação meteorológica de Santa Cruz, na zona oeste, na terça-feira.

Segundo a Climatempo, a primavera está terminando e teve muitos eventos de frio atípico nos Estados do Sul, do Sudeste e em Mato Grosso do Sul. Mas de repente, o calor entrou em cena.

"Há vários dias, cidades dos Estados de São Paulo e do Rio de Janeiro, de todos os Estados da Região Sul e do Mato Grosso do Sul têm estado na lista das 10 mais quentes do País, pela medição do Instituto Nacional de Meteorologia e não é com calor de 30°C, 32°C, mas um calor realmente extremo entre 37°C e 40°C", destaca a Climatempo. 

Fábio Araújo é pai da Sofia de 5 meses e meio. Ele concorda que o excesso de calor traz muito desconforto para os bebês. 

"Minha filha fica muito incomodada com o calor. Procuro deixar com roupas mais leves, mas também me preocupo com a variação de temperatura. Calor extremo e de repente a temperatura diminui quando chove. É preciso verificar a temperatura constantemente. Ando com várias roupas de calor e de frio. Ela ainda mama no peito e a mãe sempre fica atenta para amamentar quando ela está com fome e também com sede, já que o leite materno também tem nutrientes que aliviam a sede", comenta Araújo.  

O doutor Daniel Albuquerque, superintendente de Provimento em Saúde e médico responsável pela atenção integral à saúde na Central Nacional Unimed, reforça que o corpo do recém-nascido resfria e esquenta muito facilmente. Segundo ele, o cuidado deve ser aumentado por essa questão da regulação térmica. 

"Mantê-lo muito bem hidratado. Redobrar a atenção nos dias quentes. Ao mesmo tempo que ganha calor, o corpo do bebê também pode esfriar muito rapidamente. Entre 6 meses e 1 ano, a regulação começa a ficar mais estável. Nos dias mais quentes, procure vestir o bebê com roupas mais leves e de algodão. Mantenha a cabeça descoberta", orienta Albuquerque.

O doutor também lembra que o bebê precisa receber sol, mas nas primeiras e últimas horas do dia. "Em São Paulo, como a temperatura muda rapidamente, é preciso ter uma roupa de frio também por perto", ressalta.

'Disputados' por adultos nos dias de calor, o ventilador e o ar condicionado são aliados perigosos para as crianças, porque o ar muito seco ou muito frio pode deixar a garganta dos pequenos vulnerável para infecções. "Nunca devem ser usados diretamente na criança. O ideal é resfriar o corpo da criança com líquido ou leques", aconselha ele.

Rafaela Galvagni é mãe do Gustavo de 6 meses. Ela conta que tem dado mais de um banho por dia e lavado o rosto e pescoço do bebê com mais frequência. "Dou mais banho e ele tem ficado só de fralda mesmo. No mais, deixo longe do sol, também não deixo direto no sofá porque o tecido é quente. Tento colocar tecidos mais geladinhos em contato com o corpo dele", explica Galvagni.

O pequeno Gabriel de 2 anos gosta muito de piscina e de gelatina. A mãe dele ressalta que desta forma ele fica mais aliviado. "Ele ama gelatina. Também monto a piscina para que ele possa se refrescar nos dias mais quentes, sempre levando em conta os melhores horários em relação à exposição ao sol", diz Cristiana Helena.

Até os 6 meses, não é recomendado o uso de protetor solar, por isso, o ideal é procurar locais com sombra. Passada esta fase, o protetor é indicado. Mesmo assim, não é aconselhável que os pequenos fiquem expostos ao forte sol.

CUIDADOS COM O PET NO VERÃO 

Assim como as crianças, os animais de estimação também merecem cuidados redobrados nesta época do ano.

A Kátia que é mãe da Laura, de 2 anos, também tem um cachorrinho. Ela relata que o Billy sofre muito com o calor. "O Billy fica mole, quase não quer comer, mas bebe muita água. Procuro molhar as patinhas dele para refrescar. Também dou melancia gelada", conta.

A veterinária da Clínica Confiança Verônica Souza alerta que algumas recomendações devem ser levadas em consideração. 

"Os animais ficam mais cansados porque a transpiração é diferente da nossa. O cachorro elimina o calor pela boca. Por isso, fica com a língua para fora e respira mais rápido. No verão, é importante evitar passeios por volta do meio-dia e é importante trocar a água que o animal bebe com mais frequência. Deixe na sombra e sempre fresquinha. Frutas aliviam a sensação de calor, mas não recomendo porque são doces e podem dar tártaro", pondera Souza.  

A veterinária também aconselha que o dono permita que o seu animal de estimação se refresque. "Quem tem espaço em casa, pode colocar uma bacia com água e deixar que o peludo molhe as patas e o focinho", acrescentou.

Com relação aos passeios de carro, ela alerta para a importância de nunca deixar o cachorro dentro do carro. "Mesmo se for por alguns minutos, é preciso evitar. São muitos os casos no verão de animais que ficam presos e sofrem com o calor extremo. O ideal é sempre tirar o bicho de estimação do veículo", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.