Bill Gates e Bloomberg investem US$ 375 milhões contra o fumo

O dinheiro doado pelos bilionários destina-se a campanhas contra o tabaco em países de baixa e média renda

Associated Press,

23 de julho de 2008 | 16h18

Os bilionários Bill Gates, fundador da Microsoft, e Michael Bloomberg, prefeito de Nova York, estão unindo suas pilhas de dinheiro em um fundo de US$ 375 milhões para ajudar na luta global contra o tabagismo.   Os filantropos, que juntos têm um patrimônio de US$ 70 bilhões, disseram que o dinheiro ajudará esforços antitabagistas nos países em desenvolvimento, onde o consumo de tabaco é maior. Há mais de 1 bilhão de fumantes no mundo.   Os US$ 250 milhões de Bloomberg e US$ 125 milhões de Gates apoiarão campanhas pela elevação dos impostos sobre produtos de tabaco e proibição da propaganda de cigarros, para ajudar fumantes a parar e para ajudar a proteger os não-fumantes dos malefícios do fumo, disseram as fundações mantidas por ambos.   O trabalho também tentará rastrear os hábitos de uso do tabaco e apoiará o estudo das melhores estratégias para o controle do vício.   "Bill e eu queremos dar destaque ao tamanho do problema e catalisar um movimento global de governos e da sociedade civil para deter a epidemia do tabagismo", disse nota emitida por Bloomberg. O prefeito, que construiu sua fortuna a partir de uma companhia de informações financeiras criada nos anos 80, está ampliando o financiamento de uma iniciativa antitabagista que ele havia criado em 2006, com US$ 125 milhões.   O dinheiro destina-se a campanhas contra o tabaco em países de baixa e média renda, com foco especial na China, Índia, Indonésia, Rússia e Bangladesh.   Gates informou que US$ 24 milhões e sua dotação serão destinados para apoiar os esforços já empreendidos por Bloomberg, e o restante será destinado a iniciar ações contra o fumo em sua própria fundação. Um dos objetivos será conter o crescimento do tabagismo na África.

Tudo o que sabemos sobre:
tabagismobill gatesbloomberg

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.