Bispos pedem combate à febre amarela no Paraguai

Igreja Católica pede que não se perca de vista os riscos da epidemia; 5 mortes já foram confirmadas no país

Ansa,

28 de fevereiro de 2008 | 18h33

Os membros da Conferência Episcopal Paraguaia (CEP) afirmaram nesta quinta-feira, 28, em comunicado que os focos de febre amarela serviram para evidenciar o "estado de abandono" da saúde pública no país. Veja também:Vacinação contra a febre amarela no ParaguaiOMS enviará vacinas contra febre amarela ao Paraguai Na mensagem, os bispos convocaram governo e sociedade para que não percam de vista os outros perigos de epidemia que assolam o Paraguai, como a dengue. O comunicado fala que na campanha contra a febre amarela, a Igreja Católica tem visto a "improvisação das instituições estatais." A febre amarela já causou 8 mortes no Paraguai, segundo a imprensa local, embora as autoridades confirmem somente 5 vítimas. Há duas semanas, o aumento dos casos de morte gerou pânico entre a população, que compareceu em peso aos postos de vacinação.

Tudo o que sabemos sobre:
febre amarelaParaguai

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.