Bloquear gene rebelde pode impedir câncer de se espalhar

Segundo pesquisadores, bloquear o gene com as drogas certas pode impedir a metástase

KATE KELLAND, REUTERS

24 Janeiro 2011 | 15h40

Cientistas britânicos descobriram um "gene rebelde" que ajuda a espalhar câncer pelo corpo. Eles dizem que bloquear o gene com as drogas certas pode impedir muitos tipos de câncer de se espalharem.

 

Veja também:

link Cientistas descobrem como alguns cânceres se tornam malignos

link Câncer contagioso usa DNA do hospedeiro para consertar mutações

link Cientistas descobrem possível tratamento contra o câncer de pele

Pesquisadores da Universidade de East Anglia disseram que sua descoberta pode levar, em dez anos, ao desenvolvimento de novos medicamentos para interromper uma etapa crítica do câncer, chamada metástase, em que as células cancerígenas se espalham para outras partes do corpo.

O gene em questão, chamado WWP2, é um agente de ligação enzimática encontrado dentro de células cancerígenas, explicaram os pesquisadores em estudo publicado na segunda-feira no periódico Oncogene.

Ele ataca e rompe uma proteína que ocorre naturalmente no corpo e que normalmente impede a difusão das células cancerígenas.

Em testes feitos em laboratório, a equipe da UEA descobriu que, quando se bloqueou o WWP2, os níveis da proteína inibidora natural se elevaram, e as células de câncer permaneceram dormentes.

Andrew Chantry, da escola de ciências biológicas da UEA, que liderou a pesquisa, disse em entrevista telefônica que a descoberta significa que nos próximos dez anos poderão ser desenvolvidas drogas para sustar a expansão agressiva de muitas formas de câncer, incluindo os cânceres de mama, cérebro, cólon e pele.

Se for desenvolvida uma droga que desative o WWP2, disse ele, terapias convencionais como a quimioterapia e a radioterapia poderão ser usadas contra tumores primários, sem risco de a doença atingir outras partes do organismo.

Mais conteúdo sobre:
câncer genética

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.