Boeing usará instalações da Nasa para fabricar novas naves espaciais

Objetivo do programa de transporte comercial é desenvolver novos veículos para levar pessoas para a ISS

Efe

01 de novembro de 2011 | 09h45

 

WASHINGTON - O fabricante de aviões americano Boeing usará as instalações da Nasa na Flórida para desenvolver novos veículos comerciais de transporte de tripulação ao espaço com capacidade para no máximo sete pessoas, diz um acordo divulgado nesta segunda-feira, 31.

 

O acordo permitirá a Boeing utilizar os hangares da agência americana no Centro Espacial Kennedy, na Flórida, e criar 550 postos de trabalho durante os próximos quatro anos, afirmou comunicado da Nasa.

 

O objetivo do programa de transporte comercial da Nasa é desenvolver novos veículos para levar pessoas para a Estação Espacial Internacional (ISS) de uma forma "segura, confiável e rentável". Com este objetivo, a Boeing desenvolve uma cápsula reutilizável, para transportar até o espaço um máximo de sete pessoas ou uma combinação de pessoas e carga.

 

"Não devemos retroceder na busca da nova geração da prospecção espacial", ressaltou no comunicado Charles Bolden, diretor da agência espacial americana.

 

A Nasa retirará este ano as duas últimas naves da frota de cinco com as quais enviou tripulação e carga à ISS durante 30 anos. O problema é que não há um substituto e até que o encontrem, as naves russas Soyuz e Progress abastecerão o complexo espacial, no qual participam 16 países.

 

Em abril, a Nasa anunciou acordos com quatro empresas que receberão entre US$ 22 e US$ 92 milhões para desenvolver o transporte espacial e desenhar os veículos de lançamento e as naves espaciais do futuro. Os selecionados foram: Blue Origin, que receberá US$ 22 milhões; Sierra Nevada Corporation, US$ 80 milhões; SpaceX, US$ 75 milhões; e Boeing, com US$ 92,3 milhões

Tudo o que sabemos sobre:
boingnasaespaço

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.