REUTERS/Guglielmo Mangiapane
REUTERS/Guglielmo Mangiapane

Boletim do coronavírus: Bolsonaro, festivais de músicas ameaçados e efeitos sobre cruzeiros

Nos Estados Unidos, o presidente voltou a comentar o assunto: “Coronavírus não é isso tudo que a grande mídia propaga”. Veja os destaques do dia

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de março de 2020 | 19h47

O Estado reúne diariamente as principais notícias sobre o novo coronavírus no Brasil e no mundo. Nesta terça-feira, 10, a quantidade de casos confirmados no Brasil chegou a 34, e cinco pessoas estão internadas. Nos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro voltou a comentar o assunto: “Coronavírus não é isso tudo que a grande mídia propaga”. Enquanto isso, a doença começa a ameaçar grandes festivais de música. Veja os principais destaques do dia: 

O Ministério da Saúde informou nesta terça-feira, 10, que cinco das 34 pessoas confirmadas com o novo coronavírus no Brasil estão internadas. Segundo a pasta, há seis casos com transmissão local no País, sendo cinco em São Paulo e um na Bahia.

Um dia depois de os mercados financeiros ao redor do mundo registrarem perdas históricas, o presidente Jair Bolsonaro negou que haja uma crise e culpou a imprensa pela situação.  “Muito do que tem ali é mais fantasia, a questão do coronavírus, que não é isso tudo que a grande mídia propaga”, disse Bolsonaro em evento em Miami. Na segunda-feira, 9, ele já havia dito que a disseminação da doença estava “super dimensionada”. 

Os testes para diagnóstico de novo coronavírus serão cobertos por planos de saúde, disse o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo, nesta terça-feira, 10. A expectativa da pasta é que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) edite uma resolução em rito simplificado, pulando a etapa de consulta pública, para alterar o rol. "Acredito que nas próximas 48 horas isso será resolvido", declarou.  

Com o aumento de casos de coronavírus no Brasil, escolas particulares de São Paulo estão adotando diferentes estratégias para evitar a transmissão da doença entre os alunos. Os colégios estão fazendo campanhas para que os estudantes troquem "abraços por sorrisos" - diminuindo assim o contato físico -, instalaram recipientes de álcool em gel em todas as salas de aula e montaram planos para o caso de terem de suspender as atividades pelo risco de infecção. 

Companhias de cruzeiros marítimos estão mudando itinerários e revendo as políticas de cancelamento de viagens para se adequarem à nova ordem mundial imposta pelo coronavírus. Algumas empresas devolvem o dinheiro ou oferecem créditos para os clientes que pretendem remarcar as viagens. Conforme a Fundação Procon de São Paulo, o consumidor não é obrigado a expor sua saúde a riscos viajando para destinos onde poderá contrair o coronavírus. Ele pode optar por adiar a viagem, viajar para outro destino ou obter a restituição do valor já pago.

Logo após o primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, ter anunciado a ampliação da quarentena para todo o país por causa do surto do novo coronavírus (a covid-19), quem tem viagem programada entrou em estado de alerta. Não é mais possível viajar para a Itália? Posso remarcar a minha passagem ou resgatar o dinheiro já pago?

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que expeça ato normativo que assegure aos consumidores a possibilidade de cancelamento sem ônus de passagens aéreas nacionais e internacionais para destinos atingidos pelo novo coronavírus (Covid-19). Para o MPF, a exigência de taxas e multas em situações como a atual, de emergência mundial em saúde, é prática abusiva e proibida pelo Código de Defesa do Consumidor.

A pandemia de gripe de 1918, considerada a mais mortal da história da humanidade, matou pelo menos 50 milhões de pessoas em todo o mundo (o equivalente a 200 milhões hoje), sendo meio milhão delas habitantes dos Estados Unidos. O vírus se espalhou por todas as partes do mundo, afetando populações de países como Japão, Argentina, Alemanha e dezenas de outros países.

A economia local de Austin, no Texas, passou a esperar um influxo de receita do South by Southwest, o festival de música, cinema e tecnologia anual que atrai milhares de visitantes. Então quando a cidade, citando o crescimento do novo coronavírus, cancelou o evento este ano, mandou um choque ao sistema. Artistas em ascensão perderam a chance numa plataforma de muita atenção. Pequenos negócios viram sumir um inchaço aguardado no tráfego de pedestres.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.