Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Bolsonaro diz que governo vai comprar vacina, mas 'não ao preço que um caboclo aí quer'

'Vamos querer a planilha de custos e, da minha parte, quero saber se esse país usou a vacina', disse o presidente

Eduardo Gayer, Daniel Galvão e Nicholas Shores, O Estado de S.Paulo

13 de novembro de 2020 | 00h19

SÃO PAULO - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que o governo federal vai comprar a vacina contra a covid-19 após aprovação do Ministério da Saúde e certificação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). "Mas não ao preço que um caboclo aí quer", ressaltou na noite desta quinta-feira, 12, sem citar nominalmente o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

"Quem vai decidir sobre a vacina no Brasil: Ministério da Saúde, obviamente, e depois a certificação da Anvisa. Da minha parte, havendo a vacina, comprovada pela Anvisa e pelo Ministério da Saúde, a gente vai fazer uma compra", disse antes de mencionar o "caboclo". "Nós vamos querer uma planilha de custos e, da minha parte - sei que não compete a mim isso aí - eu quero saber se esse país usou a vacina lá no seu país", acrescentou, em referência à China.

Bolsonaro e Doria têm protagonizado uma queda de braço em torno da imunização contra o novo coronavírus. No mês passado, Bolsonaro chegou a dizer à Rádio Jovem Pan que não compraria a Coronavac,  vacina desenvolvida pelo Instituto Butantã, ligado ao governo estadual, em parceria com o laboratório chinês Sinovac, nem se houvesse o registro do produto pela Anvisa. Segundo o presidente, haveria desconfiança da população em relação ao imunizante chinês, em função do país de origem do produto. 

Além disso, os testes da Coronovac chegaram a ser suspensos pela Anvisa após a morte de um voluntário. Segundo laudo do IML, a causa do óbito foi suicídio.  Ainda assim, o líder do Planalto voltou a sugerir correlação entre o imunizante e o óbito do envolvido no estudo. "Vamos apurar a causa. Sendo suicídio, não tem nada a ver com a vacina, mas pode ser um efeito colateral da vacina, tudo pode ser", afirmou Bolsonaro em live nas redes sociais, ao lado da ministra da Família, Mulher e Direitos Humanos, Damares Alves.

O presidente voltou a se posicionar contra a obrigatoriedade da vacina. "No que depender de mim também, a vacina não será obrigatória. Você toma vacina obrigada, o que tu acha aí?", perguntou ele à ministra. "Não, não. Tem uma questão chamada no Brasil de direitos humanos e que a gente vai ver essa vacina à luz dos direitos humanos. Isso (a obrigatoriedade) é violação de direitos humanos", respondeu ela.

Bolsonaro também repetiu que só comprará a vacina após aprovação do ministério da Saúde e da Anvisa e negou ter comemorado o óbito do voluntário, atribuindo o episódio à imprensa - ainda que tenha dito, em uma rede social, ter ganhado do governador Doria com a suspensão dos estudos da Coronavac.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.