Dida Sampaio / Estadão
Dida Sampaio / Estadão

Bolsonaro diz que poderá tomar a vacina, mas que já está imunizado contra a covid

Bolsonaro foi diagnosticado contra a covid-19 no ano passado, e desde então, vem afirmando estar imune à doença por causa dessa infecção

Wagner Freire, O Estado de S.Paulo

03 de abril de 2021 | 16h09

SÃO PAULO- O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse neste sábado, 3, que não vê problema em procurar um posto de saúde e tomar a vacina contra a covid-19. O Distrito Federal começou hoje a vacinar pessoas acima dos 66 anos, idade do presidente. "Eu já estou imunizado com vírus e se eu achar que devo ser vacinado, eu vacino, mas acho que essa vacina minha tem que ser dada para alguém que não contraiu o vírus e corre um risco muito maior", disse em conversa rápida com jornalistas.

Bolsonaro foi diagnosticado contra a covid-19 no ano passado, e desde então, vem afirmando estar imune à doença por causa dessa infecção.

"Da minha parte, não tem problema nenhum procurar um posto de saúde aí, porque entrou a minha faixa etária e se vacinar", completou Bolsonaro. A fala do presidente ocorreu após visitar a comunidade de Itapoã, que fica a aproximadamente 20 quilômetros de Brasília, onde fez transmissão ao vivo em uma organização que distribui sopas à população.

"O que mais a população humilde sente é a volta ao trabalho. Sabemos da questão do vírus, mas não concordo, particularmente, com a política do fecha tudo e fique em casa. Essas pessoas em grande parte não têm como sobreviver ficando em casa e a fome tem batido forte na porta", disse.

Bolsonaro voltou a afirmar que a política do lockdown tem um feito colateral "muito danoso" que é o desemprego, destacando informação do Data Poder de que 20% da população está comendo mal ou quase não comendo depois da pandemia. "Sempre faço aquele apelo: vamos tomar conta, cuidar do vírus, combatê-lo, mas por outro lado o efeito colateral não pode ser mais danoso do que o próprio vírus."

O presidente disse também que conversou com o Ministro da Defesa, Braga Neto, e com o Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, colocando as Forças Armadas à disposição do combate à pandemia e da vacinação. "Decididos que a partir do momento que a saúde precisar das Forças Armadas, Marinha, Exército e Aeronáutica estão prontas para ajudar na vacinação da nossa população."

Reinfecção.

Estudo da Fiocruz, divulgado em dezembro do ano passado, reforça que a reinfecção por covid-19 é possível e pode ser grave. De acordo com o estudo, casos assintomáticos e mesmo brandos de covid-19 não oferecem imunização contra a doença. Publicado na Social Science Research Network, o trabalho reforça a ideia de que a reinfecção pelo SarsCov2 é possível e pode resultar em um quadro grave da doença. Ou seja, a população está ainda mais vulnerável à pandemia do que se imaginava.

Já pesquisadores do Statens Serum Institut, de Copenhague, na Dinamarca , divulgaram no último dia 17 de março, na revista científica The Lancet, que a maior parte das pessoas que foram infectadas pelo novo coronavírus está protegida de uma reinfecção por pelo menos seis meses, porém os idosos têm maior propensão à reinfecção.



 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.