Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Alan Santos/PR
Alan Santos/PR

Bolsonaro ignora marca de 400 mil mortes pela covid em transmissão semanal nas redes sociais

Sem mencionar a cifra, o chefe do Planalto afirmou lamentar o 'número enorme' de óbitos em decorrência do novo coronavírus

Nicholas Shores, Emilly Behnke e Daniel Galvão, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2021 | 21h25

Em pouco mais de uma hora de transmissão ao vivo nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez apenas uma citação indireta à marca de 400 mil mortes pela covid-19 que o Brasil atingiu nesta quinta-feira (29). Sem mencionar a cifra, o chefe do Planalto afirmou lamentar o “número enorme” de óbitos em decorrência do novo coronavírus.

“Lamentamos as mortes, chegou a um número enorme de mortes agora aqui, né?”, disse o presidente enquanto criticava medidas restritivas impostas por prefeitos e governadores.

O Brasil registrou 3.074 mortes em decorrência do novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo dados reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa. Com isso, o País ultrapassou a marca dos 400 mil óbitos no período da pandemia, chegando ao total de 401.417 vítimas. 

Estadão mostrou nesta quinta-feira, 29, que o patamar de mortes segue alto e o aumento da mobilidade eleva o risco de as cidades brasileiras observarem uma terceira onda da doença antes que seja atingido um índice significativo de vacinação. A média móvel diária de óbitos ficou em 2.523, o que interrompeu a sequência de reduções dos últimos dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.