Petrobras
Petrobras

Brasil aceita ajuda de países sul-americanos para estudos na Antártida

Segundo ministro da Defesa, Celso Amorim, o uso provisório das infraestruturas alheias será de grande importância para continuar as pesquisas científicas enquanto a estação é reconstruída

Efe,

27 de fevereiro de 2012 | 12h42

O Brasil aceitará a ajuda oferecida por outros países sul-americanos com bases na Antártida para dar continuidade a seus estudos científicos no local, enquanto reconstrói a estação parcialmente destruída no sábado por um incêndio.

 

A possibilidade de usar provisoriamente infraestruturas de outros países sul-americanos na Antártida foi admitida pelo ministro da Defesa, Celso Amorim, em declarações à imprensa nesta segunda-feira, 27, ao receber no Rio de Janeiro 41 pesquisadores e militares que estavam na base no momento do incêndio, que deixou dois mortos e um ferido.

 

Os 26 pesquisadores, 13 militares da Marinha, um fiscal do Ministério do Meio Ambiente e um alpinista chegaram na madrugada desta segunda-feira ao Rio em um avião Hércules enviado pela Força Aérea Brasileira ao Chile.

 

No mesmo voo chegou o sargento da Marinha Luciano Gomes Medeiros, que ficou ferido quando ajudava a apagar o incêndio e já está fora de perigo.

 

O avião decolou na tarde de domingo de Punta Arenas, cidade chilena à qual foram transferidos os brasileiros por um avião argentino após serem resgatados.

 

Só permaneceram na Antártida 14 militares que trabalham na avaliação dos danos provocados pelo incêndio e na investigação sobre as causas do acidente.

 

Amorim afirmou que a reconstrução total da base demorará pelo menos dois anos, mas o Brasil não pode suspender durante esse período suas pesquisas sobre o continente branco.

 

Segundo a Marinha, responsável pela Estação Antártica Comandante Ferraz, o incendiou destruiu 70% das instalações da base, localizada na ilha Rei George.

 

O fogo consumiu parte dos laboratórios e todo o material para estudos recolhido no atual verão austral e que devia servir de base para pesquisas durante todo o ano.

 

Amorim disse também que iniciará ainda hoje as discussões com os diferentes organismos que fazem parte do Programa Antártico Brasileiro para determinar o início da reconstrução da base o mais rápido possível.

 

O comandante de Marinha, almirante Júlio Soares de Moura Neto, que também recebeu os sobreviventes no Rio, assegurou que a base na Antártida será reconstruída a partir do próximo verão na região, período mais viável para as obras.

 

Segundo Amorim, a nova base terá medidas de segurança maiores para evitar outros incêndios.

"Não quero antecipar-me às investigações, mas não há nenhum indício que o incêndio pudesse ter sido prevenido. A nova base será a mais segura possível. Trata-se de um ambiente difícil, inóspito e sujeito a acidentes, que tentaremos minimizar de maneira absoluta", declarou.

 

O ministro acrescentou que a Força Aérea enviou outro avião ao Chile para trazer os corpos do suboficial Carlos Alberto Vieira Figueiredo e do sargento Roberto Lopes dos Santos, que morreram no incêndio, e que a previsão é que cheguem ao Brasil nesta próxima terça-feira.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.