Brasil acelera implantação de plano contra epidemia

Plano de 2006 indicava preocupação com a concentração dos recursos de saúde no Sudeste

Fabiane Leite, de O Estado de S. Paulo,

30 Abril 2009 | 19h17

Diante da elevação do nível de alerta da Organização Mundial da Saúde (OMS) para uma pandemia de gripe suína - gripe A (H1N1), como definiu nesta tarde o órgão internacional -, o Sistema Único de Saúde brasileiro acelerou a implantação do plano de contingência da doença, que no entanto ainda não se manifestou no País. A organização de leitos de isolamento para eventuais doentes passou a ser prioridade. O Brasil tem 4 casos suspeitos gripe e 42 em investigação.

 

Veja também:

documento Lista de hospitais de referência

documento Plano brasileiro contra pandemia de gripe

documento Anexo do plano

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

A questão dos leitos de isolamento já era uma preocupação quando o Brasil concluiu, em 2006, conforme recomendação da OMS, seu plano de contingência de uma pandemia de gripe, onde informava que o SUS detinha 40,3% dos leitos de isolamento do País (3.325), além de uma concentração das vagas no Sudeste, em razão da região tradicionalmente ter maior ofertas de serviços e tecnologias. Também destacava que , no que se refere à infraestrutura, de 47 hospitais apresentados como referência, apenas dez apresentavam unidade de isolamento respiratório adequada.

 

 

Segundo o Ministério da Saúde, o número de unidades de referência hoje chega a 52. A pasta não comentou a situação atual das áreas de isolamento. Estados consultados pela reportagem informaram que já estão tomando providências para ter a infraestrutura requisitada.

 

 

Leia a reportagem completa na edição desta sexta-feira de O Estado de S. Paulo

Mais conteúdo sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.