Brasil ajudará bancos de leite materno em Honduras

Ideia é transferir tecnologia que funciona no país; bancos de leite brasileiros atendem 1,7 milhão de mulheres

Efe,

08 de fevereiro de 2012 | 19h27

 O Brasil ajudará os bancos de leite materno em Honduras para garantir o crescimento saudável das crianças do país caribenho, informou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, chegará à capital Tegucigalpa na próxima semana para assinar o acordo de cooperação com o secretário de Saúde de Honduras, Arturo Bendaña, afirmou o escritório do Unicef em comunicado.

Especialistas brasileiros da Rede Ibero-Americana de Bancos de Leite Humano (BLH) estão em Honduras para reativar o projeto de Banco de Leite do Hospital Materno Infantil de Tegucigalpa.

Um dos especialistas, o coordenador do Centro de Referência para Bancos de Leite, Franz Novak, disse que tudo começou em 2007 com a ideia de transferir para Honduras a tecnologia que funciona no Brasil.

Novak acrescentou que o plano foi adiado pelo golpe de Estado de 28 de junho de 2009, em Honduras, contra o então presidente Manuel Zelaya.

Os bancos de leite são unidades "onde se armazena o alimento humano para impulsionar a prática do aleitamento materno, que ajuda a reduzir a mortalidade dos recém-nascidos", assinalou o Unicef.

Honduras conta com um banco de leite no Hospital Mario Catarino Rivas, na cidade de San Pedro Sula, e na terça-feira reativou o do Hospital Materno Infantil, em Tegucigalpa.

Novak disse que a tecnologia é desenvolvida em mais de 20 países ibero-americanos e foi "um êxito".

Nos bancos de leite no Brasil são atendidas 1,7 milhões de mulheres, enquanto mais de 50% da população feminina passa por essas unidades, o que constitui uma contribuição social para a infância do país e reduz substancialmente a mortalidade infantil, de acordo com Novak.

Essa mesma experiência pode ser desenvolvida em Honduras, onde mais de 20% dos recém-nascidos não recebe leite materno durante a primeira hora de vida e só um em cada três menores de seis meses têm amamentação exclusiva, segundo a última Enquete Nacional de Saúde, indicou o Unicef.

Novak ressaltou que "o ideal seria continuar com o aleitamento materno até que a criança complete dois anos, mas o primordial é conseguir que 100% das mães amamentem seus filhos pelo menos até os seis meses de vida".

Os especialistas brasileiros, que concluirão sua visita a Honduras no próximo fim de semana, viajaram nesta quarta-feira a San Pedro Sula para avaliar o Banco de Leite do Hospital Mario Catarino Rivas.

Tudo o que sabemos sobre:
leiteHondurasamamentação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.