Arquivo/AE
Arquivo/AE

Brasil avança na área de transplantes de órgão, diz associação

Segundo a ABTO, há Estados brasileiros com números comparáveis ao dos melhores países do mundo

Agência Brasil,

01 Março 2010 | 12h32

O Brasil está progredindo na área de transplante de órgãos e hoje é reconhecido internacionalmente pelo trabalho que desenvolve, segundo o presidente da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), Ben-Hur Ferraz Neto.

 

Veja também:

linkDoação de órgãos no Brasil cresce 26% em 2009 

 

"Hoje, o país é reconhecido internacionalmente pela sua participação nessa área. Há estados com números comparáveis ao dos melhores países do mundo", disse, em entrevista à Rádio Nacional. "Uma das coisas boas desse programa é que ele é subsidiado, na sua totalidade, pelo Sistema Único de Saúde (SUS)."

 

Apesar do progresso, ressaltou o presidente da ABTO, há um longo caminho a percorrer, já que algumas regiões ainda encontram dificuldades para realizar os transplantes. "A gente está no caminho certo. No entanto, ainda tem muita coisa a ser feita. A gente tem diferenças regionais muito grandes. Há regiões onde é muito difícil o serviço de transplante de órgãos."

 

De acordo com Ferraz, muitas pessoas ainda têm resistência em autorizar a doação de órgãos por achar que a morte encefálica é algo reversível ou por pensar que o parente pode estar em de coma ou em estado vegetativo.

 

"É importante que as pessoas entendam que a morte encefálica é uma morte como outra qualquer. O diagnóstico da morte encefálica é extremamente rigoroso. A legislação brasileira é uma das mais rigorosas do mundo. Não há nenhuma possibilidade de haver erro nesse diagnóstico."

 

Segundo o médico, um doador em morte encefálica pode salvar mais de dez pessoas. Ele lembrou que somente a família pode autorizar a doação de órgãos.

Mais conteúdo sobre:
Brasiltransplante de orgaosABTO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.