Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Brasil chega a 570 casos confirmados da variante Delta, alta de 98% em uma semana

O Rio de Janeiro segue como o Estado com mais casos da nova cepa do coronavírus. Outros 12 e o Distrito Federal figuram na lista com pacientes identificados. Houve 36 mortes no País

Igor Soares e Ítalo Lo Re, O Estado de S. Paulo

10 de agosto de 2021 | 19h24
Atualizado 10 de agosto de 2021 | 20h02

Correções: 10/08/2021 | 20h00

O Brasil chegou a 570 casos confirmados de pessoas infectadas com a variante Delta do novo coronavírus. O balanço do Ministério da Saúde computou dados até esta terça-feira, 10. O número é 98% maior, quase o dobro, na comparação com o balanço divulgado na semana passada, mostrando o rápido avanço da cepa no País. 

O Rio de Janeiro segue como o Estado com mais casos da nova cepa do coronavírus. Outros 12 e o Distrito Federal figuram na lista com casos identificados e notificados à pasta. Entre os registros de infectados pela doença, houve 36 mortes no País, 19 delas no Paraná. 

Até o momento, os Estados com casos já identificados são: Alagoas (1), Espírito Santo (7), Ceará (4), Distrito Federal (75), Goiás (10), Maranhão (7 registros, sendo seis identificados no navio que esteve no estado e um caso de viajante), Minas Gerais (4), Pará (3), Paraná (54), Pernambuco (5), Rio de Janeiro (206), Rio Grande do Sul (64), Santa Catarina (34) e São Paulo (96). O levantamento é realizado por meio das notificações das secretarias estaduais.  

“O Ministério esclarece que os casos e seus respectivos contatos são monitorados pelas equipes de Vigilância Epidemiológica e Centro de Informações Estratégicas em Vigilância e Saúde (CIEVS) locais, conforme orientação do Guia Epidemiológico da COVID-19”, disse a pasta, por meio de nota. A Saúde afirma que orienta Estados e municípios acerca do sequenciamento genético, notificação imediata, rastreamento e isolamentos dos casos e contatos.

O órgão federal também ressalta que a vacinação é essencial para reduzir o caráter pandêmico da covid-19. A Saúde alerta para o uso de máscara e etiqueta respiratória para diminuir a disseminação do vírus. 

MPF quer que Anvisa imponha medidas de controle

O Ministério Público Federal decidiu protocolar uma ação civil pública para obrigar a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a cumprir uma determinação que obriga pessoas a fazerem quarentena após viagem pela África do Sul, Índia e pelo Reino Unido. O objetivo da medida é evitar a disseminação da variante Delta. 

A Procuradoria aponta que o compartilhamento da relação de viajantes às companhias aéreas, "com a devida advertência quanto ao sigilo dos dados", poderá evitar casos como o da primeira infecção pela variante Delta registrada no Brasil. A pessoa, vinda da Índia, desembarcou no aeroporto de Guarulhos e se comprometeu a cumprir a quarentena no local de desembarque. No entanto, o viajante seguiu viagem para o Rio de Janeiro em um voo doméstico.

A Procuradoria relatou ter realizado reuniões emergenciais com a Anvisa em junho, "nas quais a própria agência sugeriu o compartilhamento, junto às empresas aéreas, da lista dos passageiros que devem fazer isolamento". “A Anvisa não somente demonstrou que a comunicação seria uma medida essencial para prevenir a propagação da nova variante no território nacional a partir do transporte aéreo, mas também enfatizou que a proximidade de contato entre a agência e as companhias aéreas seria um fator facilitador para informar quem deveria cumprir a quarentena e, consequentemente, ser impedido de embarcar em aeronave nesse período”, destaca a ação.

De acordo com o MPF, a medida não foi efetivada. Questionada pelos procuradores, a agência argumentou que não há previsão regulamentar que permita o compartilhamento da lista de quarentenados. Para a procuradoria, caberia à Anvisa apenas a adoção de procedimentos para operacionalizar e cumprir a normativa assinada pelos ministérios do governo federal.

Correções
10/08/2021 | 20h00

A versão anterior desta matéria dizia que o crescimento de 98% tinha ocorrido em um período de cinco dias. Esse crescimento se deu em uma semana, na realidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.