Alex Silva / Estadão
Alex Silva / Estadão

Brasil contabiliza média diária de 950 mortes por covid-19

Balanço do Ministério da Saúde mostra que mais de 2,8 milhões de pessoas já se recuperaram do coronavírus no País

Paloma Cotes e Sandy Oliveira, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2020 | 20h00

SÃO PAULO - O Brasil registrou nesta terça-feira, 25, 1.215 mortes e 46.959 novas infecções de coronavírus, segundo dados do levantamento realizado pelo Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL com as secretarias estaduais de Saúde. Com isso, a média móvel de novas mortes no País nos últimos 7 dias foi de 950 óbitos. 

Segundo o Ministério da Saúde, 2.848.395 pessoas já se recuperaram do coronavírus em todo o País. No total, 116.666 vidas já foram perdidas por causa da covid-19.

Sobre os infectados, já são 3.674.176 brasileiros com o novo coronavírus desde o começo da pandemia, 46.959 desses confirmados no último dia. A média móvel de casos foi de 37.472 por dia, registrados nas últimas duas semanas. 

Epicentro da doença no País, São Paulo concentra o maior número total de casos e óbitos por covid-19. Nesta terça-feira, 25, o Estado contabilizava 28.912 mortes e 765.670 casos confirmados. 

Em 24 horas, foram registrados 407 óbitos, um número mais alto que a média dos outros dias, mas que pode ter sido influenciado pelo represamento de dados aos finais de semana. 

Na segunda-feira, por exemplo, foram registrados somente 38 óbitos. Já em relação aos casos, em 24 horas, foram 9.190. De acordo com balanço da Secretaria Estadual da Saúde, há registro de um ou mais casos em 644 dos 645 municípios do Estado, sendo que em 515 há registros de um ou mais óbitos pela doença. 

Ainda segundo o balanço, a taxa de ocupação dos leitos de UTI é de 53,2% na Grande São Paulo e de 55,2% no Estado. Há 11.549 pacientes internados, sendo 6.459  em enfermaria e 5.090 em unidades de terapia intensiva. 

Entre o total de casos diagnosticados de covid-19 no Estado, 579.467 pessoas estão recuperadas, sendo que 86.585 foram internadas e tiveram alta hospitalar.

Por cinco dias consecutivos, o Rio de Janeiro apresentou uma tendência de alta na média móvel de mortes por covid-19, segundo dados do Consórcio de Imprensa. Nas últimas 24 horas foram 168 mortes por covid-19 e 2.643 novos casos da doença. Até agora, 15.560 pessoas morreram em função do coronavírus, que registra 214.003 casos. Mais 621 mortes estão sendo investigadas, sob suspeita de terem sido causadas pela covid-19, e 192.828 pacientes se curaram. 

O Ceará (8.346) é o terceiro Estado com mais vítimas fatais. Na sequência estão: Pernambuco (7.425), Pará (6.097), Bahia (5.051), Minas Gerais (4.847), Maranhão (3.377) e Paraíba (2.350). 

No ranking mundial, o Brasil é o segundo país com mais casos e mais mortes por covid-19, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, que somam 5.773.220 contaminações, segundo dados da Universidade Johns Hopkins. O terceiro país com mais infectados é a Índia, com 3.167.323 casos.

Enquanto o Brasil atinge 3,6 milhões de casos e mais de 116 mil mortes pelo novo coronavírus, o Ministério da Saúde completa três meses sem ministro.

 


Consórcio de veículos de imprensa

O balanço de óbitos e casos é resultado da parceria entre os seis meios de comunicação que passaram a trabalhar, desde o dia 8 de junho, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 Estados e no Distrito Federal. A iniciativa inédita é uma resposta à decisão do governo Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia. E se manteve mesmo após a manutenção dos registros governamentais.

O Ministério da Saúde informou, no início da noite, que o Brasil contabilizou 1.271 óbitos e mais 47.134 pessoas infectadas pelo novo coronavírus. Com isso, segundo a Pasta, no total são 116.580 e 3.669.995 casos confirmados pelo coronavírus. O número é diferente do compilado pelo consórcio de veículos de imprensa principalmente por causa do horário de coleta dos dados. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.