Brasil desenvolve exame para diagnóstico de gripe suína

Quando foram confirmados os casos iniciais, o Brasil teve de aguardar cerca de 20 dias para receber os kits

AE, Agencia Estado

15 Julho 2009 | 08h20

Governo dos EUA investe US$ 1 bilhão em vacina contra H1N1Institutos brasileiros desenvolveram e devem testar, na próxima semana, o primeiro exame feito no País para diagnosticar infecções por gripe suína. Fruto de uma parceria dos Institutos Oswaldo Cruz, Biomanguinhos, Carlos Chagas e Biologia Molecular do Paraná (IBPM), o teste é feito com a mesma metodologia dos exames importados - o PCR em tempo real. O custo do produto nacional representa cerca de 10% do valor de mercado do teste importado. Mas, atualmente, o País não paga pelo kits - por se tratar de uma emergência mundial, o produto é doado pela Organização Mundial da Saúde.

Depois de validado, o exame será ofertado para o Ministério da Saúde. "Caberá ao governo a decisão de incorporá-lo ou não", afirmou o pesquisador Marco Aurélio Krieger, integrante do Instituto Carlos Chagas e do IBPM. Além de Krieger, foram responsáveis pelo projeto Marilda Siqueira, do Laboratório de Vírus Respiratórios e Sarampo do Instituto Oswaldo Cruz, e Antonio Ferreira, do Instituto Carlos Chagas.

Por meio da assessoria de imprensa, o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha, informou que a validação é uma etapa indispensável para a aplicação prática do novo exame. Caso ele não passe pela certificação, programada para ser realizada na próxima semana, os estudos devem continuar. Krieger conta que o trabalho para desenvolvimento do teste nacional começou há dois meses, logo depois da notícia dos primeiros casos da doença e da dificuldade de o País receber os primeiros kits importados.

Quando foram confirmados no mundo os casos iniciais de gripe suína, o Brasil teve de aguardar cerca de 20 dias para receber os kits de diagnóstico. "Com a produção nacional, ganhamos maior autonomia. Podemos nos planejar e adaptar o volume de produção dos testes de acordo com a demanda." Krieger, no entanto, diz que a produção nacional é importante, mesmo que para isso seja preciso pagar pelo produto. "Dominar a tecnologia é uma questão estratégica. É importante porque garantimos autonomia e agilidade para a produção do teste." Além dos kits, os institutos desenvolveram insumos e reagentes usados nos testes. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
saúde gripe suína teste

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.