Brasil e Argentina adotarão ação conjunta de combate à dengue

Programa visa articulação entre os países para harmonizar as medidas de prevenção nas regiões de fronteira

Agência Brasil,

30 de novembro de 2009 | 15h19

O Diário Oficial da União desta segunda-feira, 30, traz publicado o memorando de intenções firmado pelos governos brasileiro e argentino para a implementação de ações de combate à dengue. O ato foi assinado por ocasião da visita ao Brasil da presidente argentina, Cristina Kirchner, há cerca de dez dias.

 

Veja também:

linkSP faz campanha contra dengue em cidades mais infectadas

linkDobra população que vive em áreas de risco para dengue

linkEquador propõe criação de rede sul-americana contra dengue

linkDez cidades correm risco de surto de dengue, afirma ministério

linkBrasil pode testar vacina contra dengue em cinco anos  

 

De acordo com o coordenador do Programa Nacional de Controle da Dengue do Ministério da Saúde, Giovanini Coelho, as prioridades no combate à doença e as áreas onde devem ser intensificadas as ações foram definidas pela Comissão Interna de Controle da Dengue do Mercosul.

 

Segundo o secretário, o programa é específico para a região do Mercosul, onde há uma articulação entre os países para harmonizar as medidas de prevenção e controle da dengue nas regiões de fronteira. Ele informou que a Argentina pediu ao Brasil o apoio de um profissional para ajudar na capacitação dos médicos e no processo de organização da rede de assistência de combate à dengue no país.

 

O Brasil já enviou ajuda à Bolívia, prestando assistência técnica e doando inseticidas. Para impedir a proliferação da doença, o governo brasileiro se empenhou em intensificar o combate à dengue nas regiões de fronteira com os dois países. A região de Foz do Iguaçu é uma das áreas prioritárias dentro do programa contra a dengue, de acordo com Giovanini Coelho.

Tudo o que sabemos sobre:
BrasilArgentinadengue

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.