Thaise Rocha
Thaise Rocha

Brasil não atingiu imunidade de rebanho em nenhuma cidade, diz Opas

Para Organização Pan-Americana de Saúde, não há local no País em que porcentagem da população já infectada seja de 50% a 80% - suficiente para atingir imunidade de grupo

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2020 | 14h19

O diretor para doenças infecciosas da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Marcos Espinal, apontou nesta terça-feira, 14, que não há evidências de que o Brasil ou alguma área do País tenha atingido a imunidade de rebanho contra a covid-19. O termo é usado pra definir uma situação de proteção coletiva, em que grande parte da população está imunizada e impede o surto de se alastrar. 

"Para atingir essa imunidade, é estimado que entre 50% e 80% da população de determinado local precisa ter sido imunizada ou infectada pelo vírus", responde Espinal quando questionado sobre a situação de Manaus, no Amazonas, uma das cidades mais afetadas em todo País. Ele citou um estudo que aponta que apenas 14% dos moradores da capital têm anticorpos contra o novo coronavírus. "Isso não é imunidade de rebanho".

O diretor também alerta que buscar a proteção coletiva por meio de novas infecções é uma estratégia equivocada. "Não recomendamos. O custo em vidas humanas, na economia, na saúde e na sociedade seria altíssimo". Outra justificativa para não adotar essa medida é a falta de conclusões sobre o tempo que dura a imunidade contra a covid-19. Espinal apontou uma pesquisa da King's College de Londres, segundo a qual os anticorpos capazes de destruir o vírus decaem após três meses do paciente adquirir a doença.

América registra 50% das mortes do mundo

Durante a coletiva da Opas desta terça, a diretora da organização, Carissa Etienne, disse que os números no continente são motivo de preocupação. A região soma 6,8 milhões de infectados, mais de 288 mil mortes e permanece como atual epicentro da pandemia. Na última semana, correspondeu a 60% do número de novos casos globais e 64% dos óbitos.

Carissa apontou que essa ascensão tem sido mais acentuada no Brasil, México e Estados Unidos - os três detêm 77% das mortes no mundo na última semana. "Esses países estão vivendo, atualmente, um dos surtos mais mortais da doença".

Vacina subsidiada

A organização também anunciou que está negociando com a Aliança de Vacinas (Gavi) para que países vulneráveis do continente americano recebam a imunização contra o novo coronavírus de forma subsidiada e a preços acessíveis. 

A Opas tem um mecanismo de cooperação chamado Fundo Rotativo, por meio do qual suprimentos médicos são comprados em nome de seus Estados-membros, independentemente de tamanho ou condições econômicas. Trinta países aderiram ao programa de vacinas por meio do fundo.

Segundo Carissa, a medida é importante devido à desigualdade presente no continente. "Precisamos melhorar nossa capacidade regulatória em imunização e nossos programas de vacinação. E precisamos trabalhar nisso agora, para garantir que alcancemos os mais vulneráveis quando tivermos uma vacina efetiva". ="embed-externo">

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.