Taba Benedicto/Estadão
Taba Benedicto/Estadão

Brasil notifica 447 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas; média móvel continua abaixo de 400

País tem 605,2 mil vítimas desde o início da pandemia; levantamento é do consórcio de veículos de imprensa

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2021 | 20h13

Nas últimas 24 horas, 447 pessoas foram vítimas da covid-19 no Brasil. O País já ultrapassou a marca de 605,2 mil mortos desde o início da pandemia, em março de 2020. Em relação à média móvel semanal, que elimina as distorções entre dias úteis e fim de semana, o número é de 355.

O Estado do Amazonas não relatou óbitos. Já Mato Grosso do Sul revisou o número de casos, que havia duplicidades, ficando o dado negativado. 

As notificações de novos casos da doença em 24 horas ficaram em  14.242. Na soma, o Brasil chegou aos 21.710.817 casos de infecção pela doença desde o início da pandemia. A média móvel de casos nos últimos sete dias é de 12.113. Os dados diários são reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa, que é formado por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL, em parceria com 27 secretarias estaduais de Saúde, em balanço divulgado às 20 horas.

Os dados do Painel Coronavírus, do Ministério da Saúde, mostram que houve 460 mortes no Brasil, enquanto o número de novos casos em 24 horas ficou em 14.502. São 605.139 mortos no total e 21.711.843 casos até o momento. 

O balanço de óbitos e de casos é resultado da parceria entre os seis meios de comunicação que passaram a trabalhar, desde 8 de junho do ano passado, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 Estados e no Distrito Federal. A iniciativa inédita é uma resposta à decisão do governo Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia, mas foi mantida após os registros governamentais continuarem a ser divulgados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.