Brasil pode ter exportado 'Aedes aegypti' para o Uruguai

Vítima da dengue indica que caminhão brasileiro pode ter levado mosquito para a cidade de Paysandu

05 de abril de 2008 | 14h41

Um caminhão brasileiro que chegou há 20 dias na cidade de Paysandu, Uruguai, pode ter introduzido o mosquito da dengue na região. Um jovem de 24 anos que contraiu a doença logo após ter contado com o ambiente por onde circulou o caminhão. O jornal El Telégrafo, de Paysandu, publicou neste sábado, 5, que a preocupação das autoridades sanitárias é de que se trata de um mosquito "importado" que picou apenas uma pessoa, embora fique latente a possibilidade de uma difusão da doença, que, por enquanto, ainda não foi detectada. Uma segunda amostra de sangue extraída do paciente, que está internado no Hospital de Paysandu com os sintomas da dengue, deu positivo, e por isto as autoridades de saúde passaram para a Fase 1 do protocolo para um caso de doença, que é a de contingência. A ameaça da dengue preocupa Paysandu, uma das cidades mais industrializadas do Uruguai, visto que no local nunca foram registrados casos da doença. Segundo as autoridades do setor de saúde do país, não há mosquitos transmissores da dengue no local de trabalho do jovem infectado e nem foram encontradas larvas do inseto, o que torna muito difícil que o trabalhador tenha sido picado ali ou em sua casa. Em outras áreas de Paysandu, porém, foram encontrados focos do mosquito Aedes aegypti. Pela cidade, 380 quilômetros ao noroeste de Montevidéu, circulam caminhões e outros veículos que chegam de Brasil, Paraguai e norte da Argentina, regiões onde a dengue está presente. Acredita-se que os mosquitos podem ser transportados nos caminhões, para os quais, até agora, não há aplicação obrigatória de inseticidas.

Tudo o que sabemos sobre:
dengueUruguai

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.