Claudio Furlan/LaPresse via AP
Claudio Furlan/LaPresse via AP

Brasil precisará produzir pelo menos 30 mil testes por dia durante pico do novo coronavírus

Atualmente, capacidade do Brasil é de cerca de 7 mil testes por dia

Julia Lindner e André Borges, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2020 | 18h14

O secretário de Vigilância Sanitária, Wanderson Oliveira, afirmou que o Brasil precisará produzir de 30 mil a 50 mil testes por dia durante o período de pico do novo coronavírus no País. Atualmente, a capacidade do Brasil é de cerca de 7 mil testes por dia.

"A questão dos testes está em construção, para que a gente possa enfrentar o pico da epidemia temos que ter capacidade de 30 mil a 50 mil testes por dia, essa é a escala que temos que chegar. Não temos essa escala ainda, não temos isso agora, vamos chegar nas próximas semanas", disse Wanderson.

O secretário disse que, além de conseguir mais máquinas e insumos para viabilizar testes, também é preciso ter equipamento de proteção e pessoas treinadas. Com a compra de novos testes, o Ministério da Saúde promete mais de 20 milhões de testes no total para o Brasil.

"É importante esclarecer que estamos buscando toda a disponibilidade de testes no mercado internacional. Neste momento, a Índia acabou de fazer um bloqueio por 21 dias de todo o seu território nacional. A China está com dificuldade de fornecimento de insumos. Fornecedores de máquinas não consegue, suprir o mercado internacional", avaliou Wanderson.

Ele disse que o Ministério da Saúde mantém diálogo com o Ministério da Agricultura, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Polícia Federal para conseguir parceiros que emprestem máquinas para realização de testes no Brasil. "É um esforço hercúleo", avaliou o secretário. Possivelmente será a maior pandemia do século. Esperamos que seja menos letal do que a pandemia de 1918".

Testes rápidos

Uma das estratégias do governo brasileiro é utilizar testes rápido para triagem de pacientes. Os testes, no entanto, ainda precisam ter sua eficácia analisada.

"Nós estamos ainda monitorando essa primeira leva que vai chegar para compreender. O Brasil será o primeiro país a testar em escala esse teste rápido. Nós teremos aqui muitos olhares do mundo inteiro querendo entender como é a dinâmica desse teste e esperamos que saia exitoso", declarou Wanderson.

Ele destacou que é um "teste de triagem, não é um teste de diagnóstico clínico". Temos uma precisão quando ele é positivo e assintomático, mas sensibilidade é baixa nos primeiros dias da doença", explicou.

O valor da aquisição dos novos testes ainda não foram informados. As compras serão feitas por meio de vários fornecedores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.