Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Oli Scarff/AFP
Oli Scarff/AFP

Brasil recebe 220 mil doses da vacina de Oxford/AstraZeneca por meio do consórcio Covax Facility

Este é o primeiro de três lotes que estão previstos para chegar ao País durante o fim de semana, totalizando quatro milhões de doses até domingo

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de maio de 2021 | 19h40

SÃO PAULO - Um lote com 220 mil doses da vacina contra a covid-19 de Oxford/AstraZeneca chegou ao Brasil neste sábado, 1º, por volta das 17h, no aeroporto internacional de Cumbica, em Guarulhos. Os imunizantes foram importados por meio do consórcio Covax Facility, coordenado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

No domingo, mais 3,8 milhões de doses da mesma vacina, também obtidas via Covax Facility, devem chegar a São Paulo divididas em dois lotes. Com isso, completam-se as quatro milhões de doses anunciadas pelo Ministério da Saúde para o mês de maio.

O País já tinha recebido um milhão de doses da vacina Oxford/AstraZeneca por meio do consórcio em março. Os lotes foram fabricados na Coreia do Sul pelo laboratório BK Bioscience. O Brasil tem direito de receber 10,5 milhões de doses do Covax. 

De acordo com a Opas, as vacinas AstraZeneca recebidas são do mesmo tipo que as produzidas em solo brasileiro pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). “É um produto seguro e de qualidade, tendo aprovação para uso tanto da OMS quanto da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)”, destacou a organização, em nota.

Após o desembarque, os imunizantes foram levados à Coordenação de Armazenagem e Distribuição Logística de Insumos Estratégicos para a Saúde (Coadi) do Ministério da Saúde, em Guarulhos. As vacinas, agora, serão distribuídas conforme o Plano Nacional de Imunização (PNI).

O Covax Facility é uma aliança internacional da OMS que tem como principal objetivo acelerar o desenvolvimento e a fabricação de vacinas contra a covid-19 e garantir acesso igualitário à imunização. Além da OMS, fazem parte do grupo a Coalizão para Promoção de Inovações em prol da Preparação para Epidemias (CEPI), a Aliança Mundial para Vacinas e Imunização (Gavi), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS)./COM INFORMAÇÕES DA AGÊNCIA BRASIL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.