WERTHER SANTANA/ESTADÃO
WERTHER SANTANA/ESTADÃO

Brasil registra 1.057 mortes por coronavírus em 24h; total de óbitos vai a 60.713

Com 44.884 novos casos, País atinge a marca de 1.453.369 diagnósticos da doença

Sandy Oliveira e Matheus Vargas, O Estado de S.Paulo

01 de julho de 2020 | 20h00

O Brasil registrou pelo segundo dia consecutivo mais de mil mortes por covid-19 em 24 horas. Foram 1.057 novas mortes e mais 44.884 casos confirmados de infecção de ontem para hoje, segundo dados do levantamento realizado pelo Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL junto às secretarias estaduais de Saúde. Na tarde desta quarta-feira, 1º, o País superou a marca de 60 mil óbitos pela doença.  No total, 60.713 brasileiros já perderam a vida por causa da covid-19 e 1.453.369 pessoas foram infectadas. 

O Brasil é o segundo do mundo com maior número de casos e mortes devido ao vírus, atrás apenas dos Estados Unidos, que possuem cerca de 2,6 milhões de infecções confirmadas e 127 mil óbitos, de acordo com a Universidade Johns Hopkins. 

São Paulo ultrapassou nesta quarta-feira, 1º, 15 mil mortes pelo novo coronavírus. Balanço da Secretaria Estadual da Saúde mostra que o Estado tem 15.030 mortes, 267 registradas em 24 horas. Já são 289.935 casos confirmados da doença, com 8.555 casos registrados em 24 horas. O número está abaixo de projeções feitas para o mês de junho pelo Centro de Contingência Contra a Covid-19, que passou a ser comandado por Paulo Menezes. A projeção era de até 290 mil casos até o final do mês e até 18 mil mortes. 

O Rio de Janeiro vem na sequência da lista de Estados mais afetados, com um total de 10.198 óbitos pela doença desde o início da pandemia. Há ainda 996 mortes aguardando o resultado de testes para confirmar ou descartar o novo coronavírus como a causa.

Ministério da Saúde afirma que País atingiu ‘platô’ no número de mortes

O ministério apontou aumento no número de municípios com casos de mortos pela doença no Brasil na 26ª semana epidemiológica, que se encerrou em 27 de junho.

Segundo a pasta, 90,1% dos municípios (5.021) tinham casos da doença nesta data, contra 88,6% na semana anterior. O percentual de cidades com mortos passou de 42,6% para 45,8% no mesmo período.

"Embora o número (de casos) seja elevado, tem um número de óbitos, fase mais triste da doença, se mantendo em um 'platô' (quando atinge estabilidade), embora elevado, mas em um platô", disse o secretário de Vigilância Sanitária, Arnaldo Correia de Medeiros.

Questionado se o aumento de casos em todas as regiões tem relação com a retomada de atividades em diversos locais, o Ministério da Saúde não se posicionou e voltou a usar como escudo decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). "Não posso afirmar que este aumento tem relação direta com a decisão do gestor local. Quando falamos que cabe ao gestor local (decidir sobre a quarentena), não é mera repetição, mas decisão do STF", disse o secretário de Vigilância em Saúde. 

O Supremo reconheceu em abril a responsabilidade compartilhada entre União, Estados e municípios de ações da covid-19, mas não livrou nenhum dos entes de atuar pela pandemia. 

Divulgação de dados 

O balanço de óbitos e casos é resultado da parceria entre jornalistas dos seis meios de comunicação, que uniram forças para coletar junto às secretarias estaduais de Saúde e divulgar os números totais de mortos e contaminados. A iniciativa inédita é uma resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia.

Mesmo com o recuo do Ministério da Saúde, que voltou a divulgar o consolidado de casos e mortes, o consórcio dos veículos de imprensa continua com o objetivo de informar os brasileiros sobre a evolução da covid-19 no País, cumprindo o papel de dar transparência aos dados públicos.

O órgão informou, no início da noite desta quarta-feira, que o Brasil contabilizou 1.038 óbitos e mais 46.712 pessoas infectadas pelo novo coronavírus. Com isso, segundo o Ministério da Saúde, no total são 1.448.753 casos confirmados e 60.632 mortes causadas pelo coronavírus. O número é diferente do compilado pelo consórcio de veículos de imprensa principalmente por causa do horário de coleta dos dados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.