Arte sobre foto de Alissa Eckert, MS; Dan Higgins, MAM/CDC/via REUTERS
Arte sobre foto de Alissa Eckert, MS; Dan Higgins, MAM/CDC/via REUTERS

Brasil registra 1.124 mortes em 24h e se torna o 5º país do mundo com mais óbitos por coronavírus

País supera a Espanha e se aproxima dos números da França; Ministério da Saúde divulga 26.928 novos casos por covid-19

Sandy Oliveira, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2020 | 19h12

O Brasil registrou pelo quarto dia consecutivo mais de mil mortes por covid-19 em 24 horas e passou a ocupar a quinta posição no ranking mundial de países com mais óbitos pela doença, ultrapassando a Espanha. Foram 1.124 mortes registradas de ontem para hoje, elevando o total para 27.878 no País. Apenas os Estados Unidos apresentaram, até o momento, mais que três dias seguidos com óbitos superiores a mil entre um dia e outro.

Na lista das nações com mais mortes acumuladas, o Brasil ocupa a 5ª posição agora e está bem próximo do quarto lugar. Só fica atrás de Estados Unidos (102.516), Reino Unido (38.243), Itália (33.229) e França (28.717). A Espanha está agora na sexta posição, com 27.121, segundo dados da universidade Johns Hopkins.

O balanço mais recente do Ministério da Saúde, divulgado nesta sexta-feira, 29, aponta o total de 465.166 diagnósticos da doença em todo o território nacional, sendo 26.928 novos casos confirmados entre ontem e hoje. Há, ainda, 4.245 pessoas com sintomas relacionados ao coronavírus sob investigação, de acordo com a pasta. Do total de óbitos confirmados, somente 331 ocorreram nos últimos três dias.

Com reabertura das atividades econômicas já anunciada, o Estado de São Paulo segue liderando em número de casos e óbitos, com 101.556 diagnósticos e 7.275  mortes. O Rio tem 47.953 casos e 5.079 óbitos. No Ceará são 38.395 infecções e 2.859 mortes. Os números chegam no momento em que alguns Estados começam a discutir as medidas de flexibilização do isolamento social e reabertura de setores da economia. 

Somente em maio foram mais de 186 mil novos casos

No mês de maio, a doença quadruplicou no Brasil, saindo de 91,6 mil casos para mais de 400 mil confirmações da covid-19. Pelo menos metade dos novos registros ocorreram nas duas últimas semanas. O aumento de diagnósticos, no entanto, não reflete a maior testagem da população. Muitos casos continuam subnotificados pela baixa capacidade de realizar exames, apontada pelo Ministério da Saúde, inclusive.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.