FELIPE RAU/ESTADAO
FELIPE RAU/ESTADAO

Brasil registra 164 mortes pela covid nas últimas 24 horas

Média móvel de óbitos se mantém abaixo de 300 pelo segundo dia, em 261; total de vítimas da pandemia chega a mais de 608 mil

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de novembro de 2021 | 20h02

O Brasil registrou 164 novas mortes pela covid-19 nesta terça-feira, 2. A média semanal de vítimas, que elimina distorções entre dias úteis e fim de semana, ficou em 261, abaixo de 300 pelo segundo dia.

O número de novas infecções notificadas foi de 6.383, enquanto a média de testes positivos da última semana é de 10.073. No total, o Brasil tem 608.118 mortos e 21.818.812casos da doença. Os dados diários do Brasil são do consórcio de veículos de imprensa formado por Estadão, g1, O Globo, Extra, Folha e UOL em parceria com 27 secretarias estaduais de Saúde, em balanço divulgado às 20h. Segundo os números do governo, mais de 21 milhões de pessoas se recuperaram do coronavírus desde o início da pandemia no País.

São Paulo registrou 62 novas vítimas da covid nas últimas 24 horas, o maior total para o período. Amapá, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Roraima e Sergipe não notificaram óbitos pelo coronavírus nesta terça.

O balanço de óbitos e casos é resultado da parceria entre os seis meios de comunicação que passaram a trabalhar, desde 8 de junho do ano passado, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 Estados e no Distrito Federal. A iniciativa inédita é uma resposta à decisão do governo Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia, mas foi mantida após os registros governamentais continuarem a ser divulgados.

O Ministério da Saúde informou que foram registrados 6.431 novos casos e mais 149 mortes pela covid-19 nas últimas 24 horas. No total, segundo a pasta, são 21.821.124 pessoas infectadas e 608.071 óbitos. Os números são diferentes do compilado pelo consórcio de veículos de imprensa principalmente por causa do horário de coleta dos dados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.