MICHAEL DANTAS / AFP
MICHAEL DANTAS / AFP

Brasil tem 770 novas mortes por covid-19 em 24 horas; total de infectados passa de 1,8 milhão

Com isso, o total de vidas perdidas para a covid-19 é de 72.921 e o de contaminações, de 1.887.959, nesta segunda, 13

Sandy Oliveira, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2020 | 20h01

Há 58 dias sem Ministro da Saúde, o Brasil registrou 770 mortes e 21.783 novas infecções de coronavírus nas últimas 24 horas, segundo dados do levantamento realizado pelo Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL junto às secretarias estaduais de Saúde. Com isso, o total de óbitos é de 72.921 e o de contaminações, de 1.887.959. Apenas o Mato Grosso não enviou os dados a tempo de entrar no balanço. 

Nos últimos sete dias, o Brasil registrou uma média diária de 1.052 mortes por covid-19. É a quarta semana seguida em que o número de óbitos anunciados pelas secretarias estaduais de Saúde fica acima de mil. 

Ao divulgar os dados da pandemia, o Estadão calcula uma média móvel de ocorrências, levando em conta sempre os dados dos sete dias anteriores. A média resulta da soma de mortes dos últimos sete dias e da divisão do resultado por sete. Assim, os dados divulgados diariamente sempre incluem todos os dias da semana (de domingo a sábado, de segunda a domingo e assim por diante).

Essa forma de acompanhar a evolução da pandemia dilui as oscilações bruscas provocadas pelo represamento dos dados em feriados e fins de semana, por exemplo. Aos domingos, os números absolutos de casos e mortes costumam ser menores, por atrasos nos registros das informações. Nos dias seguintes, esse atraso é compensado, o que acaba inflando os dados em dias úteis. A média móvel compensa essas variações.

Liderando o ranking brasileiro de mortes e casos, São Paulo confirmou 2.610 novos casos e 57 mortos por coronavírus nas últimas 24 horas nesta segunda-feira. O governo João Dória (PSDB), no entanto, aponta queda pela terceira semana consecutiva no número de óbitos e afirma que o Estado atingiu taxa de letalidade de 4,8%, a menor desde o início da pandemia.

Segundo dados do governo, São Paulo registrou, ao todo, 374.607 diagnósticos e 17.907 mortes por coronavírus. Nas últimas 24 horas, no entanto, o crescimento foi de 0,7% e 0,3%, respectivamente.

Além de São Paulo, outros 12 estados já ultrapassaram a marca de mil mortes pela covid-19. O estado do Rio de Janeiro é o segundo com mais óbitos, com 11.474 vítimas da doença. Se fosse um país, o Estado do Rio seria o 20º do mundo com mais infectados. Em seguida estão: Ceará (6.975), Pernambuco (5.652), Pará (5.318), Amazonas (3.048), Maranhão (2.501), Bahia (2.535), Espírito Santo (2.040), Rio Grande do Norte (1.404), Alagoas (1.297) e Paraíba (1.302).

América Latina se torna a segunda região com mais mortes por covid-19 no mundo

A América Latina e o Caribe se tornaram nesta segunda-feira, 13, a segunda região do mundo com o maior número de mortos na pandemia do novo coronavírus depois da Europa, enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) avaliou que a velha normalidade não voltará "em um futuro previsível". 

O Brasil é o país mais afetado da região, com 72.921 mortes e mais de 1,8 milhão de casos de infecção, incluindo o presidente Jair Bolsonaro.

Pandemia do coronavírus pode 'piorar', alerta diretor-geral da OMS

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou nesta segunda-feira, 13, que alguns países não têm aplicado as recomendações básicas de saúde para controle do novo coronavírus e que, caso essa situação continue, o quadro geral da pandemia vai piorar.

"Deixe-me ser direto: muitos países estão na direção errada. O vírus permanece como inimigo público número 1, mas a ação de muitas pessoas e governos não reflete isso", disse Tedros. "Se as medidas básicas não forem seguidas, a única direção que essa pandemia pode seguir é piorar, piorar e piorar."

Consórcio de veículos de imprensa

O balanço de óbitos e casos é resultado da parceria entre os seis meios de comunicação, que uniram forças para coletar junto às secretarias estaduais de Saúde e divulgar os números totais de mortos e contaminados. A iniciativa inédita é uma resposta à decisão do governo Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia.

O órgão informou, no início da noite desta segunda-feira, que o Brasil contabilizou 733 óbitos e mais 20.286 pessoas infectadas pelo novo coronavírus. Com isso, segundo o Ministério da Saúde, no total são 1.884.967 mortes e 72.833 casos confirmados pelo coronavírus. O número é diferente do compilado pelo consórcio de veículos de imprensa principalmente por causa do horário de coleta dos dados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.