Márcio Pinheiro/SESA
Márcio Pinheiro/SESA

Brasil tem 8,9 mi de comprimidos estocados de medicamentos à base de cloroquina e hidroxicloroquina

Indústria diz ter capacidade para produzir demanda pelo remédio, mesmo com bloqueios de exportações da Índia; composto é testado para tratar coronavírus

Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2020 | 10h00

BRASÍLIA - A indústria farmacêutica instalada no Brasil tem cerca de 8,9 milhões de comprimidos de medicamentos à base de cloroquina e hidroxicloroquina. Estes produtos são aposta do presidente Jair Bolsonaro no combate ao coronavírus, mas estão recomendados pelo Ministério da Saúde somente para pacientes internados, pois faltam estudos conclusivos sobre segurança e eficácia da droga. A indústria afirma que tem capacidade para produzir a demanda pelo remédio, mesmo com bloqueios de exportações da Índia, principal fornecedora da matéria prima.

Os dados de estoques foram enviados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ao Ministério da Economia na segunda-feira, 6, em ofícios obtidos pela reportagem.  A Apsen Farmacêutica tem maior parte do estoque, cerca de 5,15 milhões de comprimidos. Em seguida, a Fiocruz, com 3 milhões.

O Laboratório do Exército está com estoque zerado. O órgão informou para a Anvisa que tem insumos para produzir 250 mil comprimidos, mas falta material para embalar o medicamento. Bolsonaro já comemorou que a instituição iria ampliar a produção da droga.  Além de ser testada contra a covid-19, as substâncias são usadas em medicamentos contra a malária, reumatismo, inflamação nas articulações, lúpus, entre outras doenças.

Na lista de estoques enviadas pela Anvisa, há medicamentos de diferentes fórmulas e apresentações. Segundo fontes da indústria ouvidas pela reportagem, é difícil precisar quantos pacientes podem ser atendidos por este estoque, mas a quantidade é “segura” e há perspectiva de ampliar a produção.

O grupo EMS, por exemplo, disse à Anvisa que pode fabricar até 1,4 milhão de comprimidos de sulfato de hidroxicloroquina 400 mg no começo de abril. Já a Apsen projetou mais 5,8 milhões de unidades até 24 de abril.  A Cristália afirmou conseguir fabricar 1,35 milhão de comprimidos nas próximas semanas. Já a Fiocruz estimou para a Anvisa que entrega 4 milhões de unidades em até 30 dias a partir do pedido para a produção.

Principal produtora de material para fabricação destes medicamentos, a Índia bloqueou exportações de alguns fármacos. Ainda assim, a indústria brasileira diz ter capacidade de de produção. “Com alguma dificuldade, não acreditamos, nesse momento, em desabastecimento, apesar de um aumento exponencial dos custos de matéria prima, fretes, entre outros”, disse Nelson Mussolini, presidente do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma), que reúne as principais empresas do setor no Brasil.

Remédio opõe Bolsonaro e Mandetta

A forma de uso de medicamentos à base de cloroquina e hidroxicloroquina opõe o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), e o presidente Jair Bolsonaro. O mandatário pede distribuição mais ampla do produto para pacientes com casos leves, entrega em postos de saúde e até para uso preventivo a quem sequer tem sintomas.

Mandetta voltou a afirmar na terça-feira, 7, que não está nos planos, considerando os estudos atuais, liberar de forma mais ampla o produto. A ideia é que o tratamento seja feito em ambiente controlado. O ministério recomenda o uso dos produtos a pacientes internados. Mandetta reafirmou na terça que médicos sempre puderam receitar o tratamento a casos mais leves, assumindo riscos e responsabilidades.

"A prescrição médica no Brasil... a caneta e o CRM (número de registro do profissional) estão na mão dele (do médico). Se ele quiser comunicar o paciente que não tem evidência, que poderia usar o medicamento, com tais riscos, e se responsabilizar individualmente, não tem óbice", disse o ministro.

No fim de março, a Anvisa determinou que a venda da cloroquina só pode ser feita com receita branca especial em duas vias. A medida foi uma forma de controlar a ida desenfreada às farmácias e a automedicação. "Já liberamos cloroquina e hidroxicloroquina tanto para os pacientes críticos, aqueles que ficam em CTIs, quanto para qualquer paciente em hospital, o moderado. O medicamento já é entregue, já tem protocolo. Nós estamos analisando para casos anteriores aos leves, que é onde pode haver algum tipo de senão. Isso ainda existe um pouco de dúvida, por conta de efeitos colaterais", disse Mandetta.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.